Entidades de mães e pais reclamam de proposta de retorno às aulas

Entidades de mães e pais reclamam de proposta de retorno às aulas

Executivo apresentou calendário para que as atividades presenciais sejam retomadas nas escolas

Por
Correio do Povo

Executivo apresentou calendário para que as atividades presenciais sejam retomadas nas escolas


publicidade

Representantes da comunidade escolar manifestam-se contrários ao cronograma de volta às aulas presenciais apresentado pelo governo estadual. Para a presidente da Associação Mães e Pais pela Democracia, Aline Kerber, a abertura das escolas é precipitada.

“O governador decide contra evidências que ele próprio construiu. Contra prefeitos, contra mães e pais, contra educadores, sem diálogo e com proposta de escalonamento reprovada pela comunidade escolar. Nossos filhos só voltarão quando todos voltarem, escolas públicas e privadas, a partir da construção coletiva de soluções e protocolos baseados em um grande diagnóstico.”

Cassiana Lipp, do grupo Direito ao Ensino Não Presencial, considera que não há necessidade de expor crianças e professores. “Sabemos que a escola é o ambiente de maior interação social. Abrir, nesse momento, pode vir a ser prejudicial.” Segundo ela, o ideal seria investir em aulas remotas bem produtivas e aprimorar a ambientação digital no Estado. 

Divergências 

O retorno das aulas presenciais no Rio Grande do Sul tem gerado divergência em diversas esferas ligadas à educação. De acordo com o cronograma divulgado pelo governo do Estado, o Ensino Médio (geral) e o Ensino Superior retomam as aulas presenciais na mesma data: 21 de setembro. Já os estudantes do ensino médio de instituições estaduais voltam para as classes somente em 13 de outubro. O Ensino Fundamental – anos finais – volta em 28 de outubro e o Ensino Fundamental – anos iniciais – em 12 de novembro. 

Favorável a volta, o Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (SINEPE/RS) avaliou de forma positiva a divulgação de um calendário, que servirá de guia para as escolas públicas e privadas elaborarem a retomada das suas atividades.

Contrário ao retorno no momento atual da pandemia no Rio Grande do Sul, o Sindicato dos Professores do Ensino Privado (Sinpro/RS) entende que "não há nenhuma condição de volta às aulas presenciais enquanto os números da pandemia não derem sinais claros de redução e controle" e defende que os professores devem participar da definição de calendário, junto à comunidade escolar, pais, professores e funcionários. 

A Famurs, que esteve representada na reunião de divulgação do calendário de volta às aulas presenciais, também não concorda com o retorno dos estudantes para o ambiente escolar. A entidade, mais uma vez, se posicionou de forma contrária à iniciativa proposta pela administração de Eduardo Leite. 


Na avaliação da Famurs, o estudo apresentado pelo Executivo não levou em consideração o estágio da pandemia no Estado, na comparação com outros estados brasileiros e países, e não considerou um programa efetivo de testagem.