Afastamentos ainda atingem pelo menos 789 profissionais da saúde no RS

Afastamentos ainda atingem pelo menos 789 profissionais da saúde no RS

Número é inferior ao verificado no dia 9 de abril, quando total chegou a 1.449 profissionais

Jessica Hübler

Números foram repassados pelas secretarias municipais de Saúde de 12 cidades pesquisadas

publicidade

O número de profissionais da Saúde afastados por conta do novo coronavírus no Estado chega a pelo menos 789. Entre estes profissionais estão médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, além de funcionários de instituições de saúde. O total de afastamentos é inferior ao verificado no dia 9 de abril, quando o número chegou a 1.449 profissionais. Os números foram repassados pelas secretarias municipais de Saúde de 12 cidades pesquisadas: Porto Alegre; Novo Hamburgo; Sapucaia do Sul; Santa Cruz do Sul; Bagé; Esteio; Alvorada; Bento Gonçalves; Pelotas; Cachoeirinha; Farroupilha e Canguçu.

No primeiro levantamento, dados de outras sete cidades também foram contabilizados mas, desta vez, as prefeituras das cidades Canoas, Caxias do Sul, Rio Grande, Viamão, Guaíba, Gravataí e São Leopoldo, não repassaram informações sobre os afastamentos. Entre as cidades pesquisadas, a maioria apresentou redução no número de profissionais fora dos locais de trabalho. Os números aumentaram em Pelotas, de 28 para 65, Canguçu, de 7 para 23 e em Cachoeirinha, de 22 para 58. O município com maior número de profissionais da saúde afastados, atualmente, é Porto Alegre, com pelo menos 412, espalhados entre rede municipal, Hospital de Clínicas e Grupo Hospitalar Conceição (GHC). No GHC foi registrado o maior número de afastamentos, chegando a 341, o que representa 82,76% do total pesquisado na Capital.

A maior redução ocorreu nas cidades de Porto Alegre e Sapucaia do Sul, passando de 524 para 412 e de 98 para 16, respectivamente. De acordo com o Conselho Regional de Enfermagem do Rio Grande do Sul (Coren-RS), pelo menos 433 profissionais de enfermagem estão em quarentena, portanto afastados dos postos de trabalho, por suspeita da Covid-19. Destes, pelo menos 64 que também estão em isolamento tiveram o diagnóstico da doença confirmado. Pelo menos 11 profissionais estão internados com suspeitas da Covid-19 e, até o momento, uma profissional faleceu em decorrência da doença.

O Rio Grande do Sul é o 5º estado com maior número de afastamentos de profissionais da enfermagem, conforme levantamento realizado pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), ficando atrás dos estados de São Paulo (2.732), Rio de Janeiro (2.522), Santa Catarina (740) e Ceará (687). Conforme o presidente do Coren-RS, Daniel Menezes de Souza, muitas queixas chegam ao Coren-RS por conta da falta de Equipamento de Proteção Individual (EPI) ou pela baixa qualidade dos EPIs fornecidos. Sobre o número de afastamentos, Souza diz que os profissionais da enfermagem acabam sendo bastante afetados justamente por estarem na linha de frente do atendimento de pacientes com a Covid-19.

“Já existe essa exposição natural, então com falta de EPI ou com EPI de baixa qualidade, o risco de transmissão é aumentado, a deficiência dos EPIs está nos preocupando muito. Não dá só para reclamarmos que não dá para importar, temos o insumo aqui, todos eles são derivados do petróleo”, reitera. Segundo Souza, é preciso estimular a fabricação de EPIs para os profissionais da saúde em território nacional, para que seja possível garantir uma boa distribuição. Além disso, Souza destaca que existe uma outra situação, que é a falta de capacitação para os profissionais. “Falta treinamento para essas equipes, para utilizar os EPIs de maneira adequada, assim como é de responsabilidade do empregador é a aquisição do EPI, ele também é responsável pela capacitação dessas equipes. Não tendo esse cuidado, o número dos afastamentos vai continuar crescendo a cada dia”, enfatiza.

Souza explica que o canal da ouvidoria do Coren-RS recebe as denúncias e a entidade desloca fiscalização para que seja feita uma inspeção nos locais para averiguar os problemas. “No momento em que verificamos alguma irregularidade, já notificamos os coordenadores da enfermagem ou o responsável técnico pelo setor, se for necessário, em algum caso, também vamos judicializar. É preciso que a gente consiga garantir a segurança dos profissionais e a proteção dos pacientes também”, diz. Ele ainda enfatiza que é preciso ampliar a realização de testes nos profissionais da saúde. “Pelo menos 80% dos colegas que têm testado positivo, muitos deles não têm sintomas, então pode acontecer uma transmissão dentro da instituição hospitalar, é importante testar para não espalhar o vírus”.

Confira a lista de afastamentos dos profissionais de saúde em cada cidade:

Porto Alegre - 412
Novo Hamburgo - 119
Sapucaia do Sul - 16
Santa Cruz do Sul - 71
Bagé - 1
Esteio - 6
Alvorada - 3
Bento Gonçalves - 14
Pelotas - 65
Cachoeirinha- 58
Farroupilha - 1
Canguçu - 23
Total: 789


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895