Com novo atraso, revitalização do Largo dos Açorianos deverá terminar em junho

Com novo atraso, revitalização do Largo dos Açorianos deverá terminar em junho

Empresa justificou excesso de chuvas para não ter concluído os trabalhos em maio, como previsto

Henrique Massaro

Com novo prazo, obras de revitalização do Largo dos Açorianos deverão terminar em junho

publicidade

O atraso é gritante: mais de dois anos e meio depois do que inicialmente havia sido estipulado para a conclusão das obras do Largo Açorianos, o empreendimento ainda não foi inaugurado. Mas, além de passar do limite originalmente informado, chama atenção o fato de que, desde então, a prefeitura divulgou um prazo atrás do outro. Todos eles alterados conforme novos atrasos ocorreram. Esta sexta-feira foi mais um. O mês de maio - o último que havia sido comunicado pelo Executivo para concluir os trabalhos - chegou ao fim e as obras permanecem na região central de Porto Alegre. 

Segundo a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams), já foram executados 95,76% das obras, sendo que ainda são necessárias as finalizações das arquibancadas, pavimentação, equipamentos, instalações hidráulicas, iluminação pública e plantio de grama. A empresa responsável pediu mais 29 dias, devido ao grande volume de chuva do mês de maio. Assim, a requalificação do Largo dos Açorianos será finalizada até o final do mês de junho. 

A história da revitalização

Inicialmente, a revitalização do Açorianos havia sido prevista para 2016, mas a ordem de serviço só foi assinada em outubro daquele ano. As obras já começaram atrasadas, porque, nos primeiros meses de contrato, ocorreu um problema devido a interferências encontradas pela empresa responsável nas redes do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) e da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE). A ponte de pedra, por exemplo, apresentava infiltrações e também pichações.

Na metade de 2017, os trabalhos no Largo Açorianos foram retomados, com serviços como decapagem e limpeza do fundo dos espelhos d’água. A etapa também previa envelopamento das redes de proteção do Dmae e CEEE e o reforço do solo com geogrelhas. A previsão ficou para fevereiro de 2018, mas, um mês antes, apesar de a prefeitura sustentar que obedeceria a data prevista, a obra mostrava que estava atrasada.

O prazo estourou e, então, o Executivo informou que pretendia terminar o empreendimento dentro daquele semestre. As restaurações do Monumento aos Açorianos e da Ponte de Pedra já haviam sido concluídas e o foco era na finalização do espelho d'água, das instalações elétricas e hidráulicas, além da colocação de arquibancadas, de bancos e do passeio publico. Em junho, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) comunicou que a empresa Elmo Eletro Montagens Ltda havia feito pedido de novo prazo para concluir os trabalhos. A previsão era de que, com o aditivo, a obra durasse mais seis meses.

Em fevereiro de 2019, a pasta afirmou que a reurbanização seria entregue no mês seguinte e que 78% do processo estava concluído. Em abril, a Smams informou que, devido a uma nova solicitação de prorrogação por parte da empresa, o prazo havia sido alterado por não haver um segundo colocado no processo licitatório, impedindo eventual convocação de outra instituição sem nova licitação. Com cerca de 85% de conclusão à época, o novo cronograma previa conclusão até o fim de maio.

Orçadas em R$ 4,6 milhões e reajustadas para R$ 5 milhões, as obras, ao fim do último prazo estabelecido pela prefeitura, ainda estão em andamento. Apesar de a maior parte da vegetação aparentemente já estar plantada, chama atenção principalmente a falta de calçamento em grande parte do empreendimento.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895