Dados indicam que morte de jovem não teve a ver com vacina, diz Anvisa

Dados indicam que morte de jovem não teve a ver com vacina, diz Anvisa

Órgão recomenda que imunizante pode seguir sua aplicação em menores sem riscos

R7

Imunizante seguiu sendo aplicado em Porto Alegre

publicidade

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) reafirmou nesta segunda-feira a segurança e eficácia da imunização contra a Covid-19 em adolescentes. O órgão consultou a investigação acerca do adolescente que morreu após tomar a vacina da Pfizer. A fala veio após reunião de representantes do setor de Farmacovigilância do órgão. 

"Os dados apresentados durante a reunião foram considerados consistentes e bem documentados, indicando a ausência de relação causal entre a administração da vacina e o evento adverso investigado", afirmou a Anvisa em nota. Participaram também representantes do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde de São Paulo. 

O relatório que a Anvisa recebeu já havia sido divulgado pelo governo de São Paulo, na última sexta-feira. O órgão, porém, vai manter a cautela e irá notificar o caso à OMS (Organização Mundial da Saúde).

"A Anvisa participará das reuniões do International Coalition of Medicines Regulatory Authorities (ICMRA), um conselho de autoridades regulatórias que reúne as maiores autoridades do mundo em discussões acerca da segurança das vacinas, bem como da reunião do Comitê Interinstitucional de Farmacovigilância de Vacinas e outros Imunobiológicos - CIFAVI, ambas agendadas para esta terça (21/9) pela manhã", completou. 

A Anvisa ainda comentou que os benefícios da vacinação "excedem significativamente" os potenciais riscos, mas que atuará caso os próximos casos indiquem necessidade de qualquer nova medida quanto às vacinas.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895