Faltam doses da Pfizer para seguir com grupos prioritários em Porto Alegre

Faltam doses da Pfizer para seguir com grupos prioritários em Porto Alegre

Em nota, a prefeitura de Porto alegre informou que aguarda receber uma nova remessa para continuar a aplicação

Gabriel Guedes

Segunda dose da vacina da Pfizer foi aplicada em 20 farmácias parceiras da Secretaria Municipal da Saúde e em três unidades de saúde de Porto Alegre

publicidade

Parte do público que procurou as 11 unidades básicas de saúde de Porto Alegre na manhã desta quinta-feira em busca da primeira dose da vacina Comirnaty, da Pfizer, se deparou com falta de doses, longa espera e poucas informações. Após a Prefeitura ampliar o grupo contemplado, pessoas com 60 anos ou mais, com deficiências cadastradas no plano Benefício de Prestação Continuada a partir de 18 anos, pessoas com HIV e Síndrome de Down a partir de 18 anos, profissionais de saúde e de apoio à saúde, poderiam receber o imunizante, além de gestantes e puérperas com comorbidade e sem comorbidade e pessoas com comorbidades com 18 anos ou mais e pessoas com deficiência permanente com 59 anos ou mais.

Em menos de duas horas desde iniciada a vacinação, já havia relatos de falta de doses do imunizante da Pfizer. No IAPI, as pessoas iam para a fila, que não avançava. Ao questionarem a demora a um funcionário da unidade de saúde, recebiam uma senha, o que sinalizava que receberia a aplicação. Entretanto, os que não recebiam, estavam fadados a aguardar indefinidamente.

• Porto Alegre diz ter doses insuficientes de Coronavac para regularizar esquema vacinal

“Eles só pediram para aguardar na fila, mas não disseram nada da falta de doses. Mas eu tenho comorbidades, mãe e pai doentes. Preciso me vacinar e vou esperar o tempo que for necessário”, contou a Deise Beretta, 46 anos, moradora do Triângulo, na Zona Norte da Capital.

No Modelo, no bairro Santana, por volta das 10h30min, situação parecida. A tenda de vacinação estava vazia, sem movimento e dezenas de pessoas aguardando dentro do pátio da unidade e em uma fila que se estendia pela avenida João Pessoa e rua Laurindo. “Estamos esperando há uns 20 minutos. Mas não deram senha e nem falaram nada”, relatou o jovem Gabriel Baraibar, morador do bairro Partenon.

O secretário municipal de Saúde, Mauro Sparta, por meio do seu gabinete, afirmou “que foram aplicadas doses que estavam em estoque e que aguardam receber uma nova remessa para continuar a aplicação”. Para evitar a espera desnecessária, Sparta disse que seriam distribuídas senhas nos locais em que as doses estariam se esgotando.

Em nota, a SMS reiterou que vem fazendo “uma operação diária de remanejo de doses para reposição de vacinas nos locais onde acaba ocorrendo a falta devido à procura”. Mas observaram que “isso está condicionado à disponibilidade de vacinas”. Ainda esclareceram que o esforço é para que se reponha o mais rapidamente o estoque com a quantidade estimada para a demanda no local naquele momento”, informaram.

Nesta quinta-feira também não houve oferta de primeira dose da AstraZeneca/Fiocruz e nem vacinação em drive-thrus. A SMS espera retomar a vacinação com a Pfizer apenas na terça-feira da próxima semana.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895