capa

Ginásio Tesourinha recebe carreta que servirá refeições populares em Porto Alegre

Espaço será alternativa para afetados pelo fechamento do Restaurante Popular

Por
Correio do Povo

Vindo de São Paulo, o veículo foi conduzido por uma viatura da EPTC até o Ginásio Tesourinha

publicidade

A carreta Volkswagen Tractor da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais do Brasil (ADRA), adaptada e equipada com cozinha e lavanderia industriais, chegou pontualmente às 11h deste domingo em Porto Alegre com a missão diária de preparar entre 150 e 170 refeições populares. 

Vindo de São Paulo, o veículo foi conduzido por uma viatura da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) até o Ginásio Tesourinha, cujo espaço interno vai se transformar em um “restaurante” a partir desta segunda-feira para atender, mediante a entrega de senhas, as pessoas que se encontram em maior situação de vulnerabilidade alimentar e afetadas pelo fechamento do Restaurante Popular

Novo espaço 

O secretário adjunto municipal de Desenvolvimento Social e Esportes, Moisés Fraga Gonçalves, aguardou a chegada do caminhão na avenida Assis Brasil, perto do entroncamento com a freeway, acompanhando depois o percurso pela rodovia até o Ginásio Tesourinha, no bairro Menino Deus. “A carreta vai ficar estacionada dentro dele. Temos um pessoal preparando agora o ambiente no ginásio com mesas e cadeiras para receber o pessoal”, observou, citando o apoio das equipes de segurança alimentar e nutrição nesse trabalho. 

Os alimentos serão adquiridos pela Prefeitura. Já a ADRA vai fornecer cozinheiros e os equipamentos para a produção das refeições. A lavandeira instalada no veículo capacidade para cerca de 400 quilos de roupas por dia caso alguém queira aproveitar para lavar as vestimentas. 

• Após fechamento do Restaurante Popular, Prefeitura projeta reabrir unidades em 60 dias

Nos três Centro POP-Serviço Especializado para Pessoas em Situação de Rua, as equipes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e Esportes vão distribuir na noite deste domingo os avisos para que saibam onde será servido o almoço, mediante a partir de segunda-feira. “A carreta vai permanecer por tempo indeterminado. É um plano contingencial e paliativo. Vamos avaliar como será o movimento”, afirmou. 

Moisés Fraga Gonçalves lembrou que o chamamento público da Prefeitura não teve interessados e, após o fim do contrato, o Restaurante Popular, na rua Santo Antônio, no bairro Floresta, teve então de ser fechado. Nele eram servidas cerca de 350 refeições diárias ao preço de R$ 1. O secretário adjunto agradeceu a parceria com a ADRA que atua com voluntários.