“Pessoas ainda não acordaram para o coronavírus”, lamenta prefeito de Tramandaí após bailão
capa

“Pessoas ainda não acordaram para o coronavírus”, lamenta prefeito de Tramandaí após bailão

Polícia abriu inquérito para apurar responsabilidades pelo evento

Por
Lucas Rivas / Rádio Guaíba

Festa reuniu aproximadamente cem pessoas no fim de semana


publicidade

O prefeito de Tramandaí, Luiz Carlos Gauto (PP), criticou de forma veemente, nesta quinta-feira, as pessoas que participaram de um bailão, realizado ilegalmente na cidade litorânea, reunindo aproximadamente cem pessoas. Um decreto vigente restringe a aglomeração de pessoas. Após imagens e vídeos do encontro circularem em redes sociais, a Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso. Gauto lamentou que a imagem de Tramandaí tenha ganho destaque nacional “pela falta de consciência da sociedade”.

“Foi um mau exemplo. Me parece que as pessoas não acordaram para ver que o Covid vem matando e colocando as pessoas nos hospitais. A população ainda não está levando a sério o coronavirus”, reconheceu.

Em entrevista para o Guaíba News, Luiz Carlos Gauto adiantou que a investigação policial já chegou aos organizadores da festa e informou que a busca pelo serviço de vigilância sanitária aumentou consideravelmente entre a população após a realização do bailão. Para tentar evitar o contágio em massa, o prefeito reiterou que os envolvidos devem permanecer em quarentena. Tramandaí já contabiliza sete casos confirmados de Covid-19, com uma morte.


Conforme a Polícia Civil, a festa ocorreu na madrugada de domingo na localidade de Estância, na zona rural do município. O proprietário locou o espaço para outra pessoa, que promoveu um baile em meio à necessidade de isolamento social. O delegado Paulo Perez explica que os participantes infringiram a lei e podem pegar até um ano de prisão, além de pagar multa. No inquérito, serão indiciados o dono do galpão e o promotor da festa.