Ativistas de extrema direita se reúnem em Londres apesar de alertas da polícia

Ativistas de extrema direita se reúnem em Londres apesar de alertas da polícia

Autoridades temem que grupo busque confronto com manifestantes anti-racistas neste sábado, sob o disfarce de proteger estátuas

AE

Monumentos se tornaram pontos de inflamação nas manifestações contra o racismo

publicidade

Centenas de pessoas, incluindo ativistas de extrema direita, se reuniram para se manifestar na Praça do Parlamento, no centro de Londres, apesar dos alertas da polícia para as pessoas ficarem em casa para conter o novo coronavírus.

Dezenas de pessoas se mobilizaram em volta da estátua do ex-primeiro-ministro Winston Churchill e do memorial de guerra de Cenotaph. Autoridades temem que ativistas de extrema direita busquem confronto com manifestantes anti-racistas neste sábado, sob o disfarce de proteger estátuas. Paul Golding, líder do grupo de extrema-direita Britain First, disse que os ativistas estavam "vigiando nossos monumentos".

Monumentos ao redor do mundo se tornaram pontos de inflamação nas manifestações contra o racismo e a violência policial após a morte de George Floyd, em 25 de maio, um homem negro que morreu em Minneapolis após um policial branco pressionar um joelho no seu pescoço. No Reino Unido, os protestos desencadearam um debate nacional sobre o legado do império e seu papel no comércio de escravos. Uma estátua do comerciante de escravos Edward Colston foi arrancada do pedestal por manifestantes na cidade de Bristol no último domingo e despejada no porto. Em Londres, a estátua de Churchill foi pintada com as palavras "era racista".

A polícia impôs restrições rígidas aos protestos de sábado, numa tentativa de evitar confrontos violentos. Autoridades também cercaram outras estátuas na Praça do Parlamento, incluindo memoriais de Nelson Mandela e Abraham Lincoln. O comandante da polícia Bas Javid pediu às pessoas que não se reunissem em grandes grupos por causa do novo coronavírus. Mas, se necessário, ele disse que ativistas deve seguir a rota planejada e sair das ruas às 17h ou correm risco de serem presos.

Bavid disse que, embora as manifestações no fim de semana passado tenham sido pacíficas, uma minoria estava "com intenção de desordem", e isso resultou em ataques à polícia e comportamento violento. Dezenas de pessoas foram presas no último fim de semana.

Um grupo da Black Lives Matter em Londres disse que cancelaria um protesto planejado para este sábado porque a presença de ativistas de extrema direita tornaria a manifestação insegura, mas a expectativa ainda era de reunião de manifestantes anti-racismo. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895