Maioria das Bolsas da Europa fecha em alta com otimismo com Biden

Maioria das Bolsas da Europa fecha em alta com otimismo com Biden

Democrata tomou posse na tarde desta quarta-feira

AE e AFP

O índice pan-europeu Stoxx 60 fechou em alta de 0,72%, a 410,84 pontos

publicidade

As bolsas da Europa fecharam na maioria em alta nesta quarta-feira em meio a um otimismo com a posse do presidente Joe Biden nos Estados Unidos e os possíveis estímulos fiscais que a liderança pode trazer no país. Na Itália, a solução momentânea da crise política com a vitória do governo de Giuseppe Conte no Senado ajudou Milão a ter a maior alta dentre as principais bolsas europeias.

Veja Também

Contendo a euforia, o dado de inflação da zona do euro deu pouco impulso aos mercados, além do contínuo avanço da Covid-19 que segue aumentando casos, mortes e medidas de restrição. O índice pan-europeu Stoxx 60 fechou em alta de 0,72%, a 410,84 pontos. "O ânimo do mercado melhorou antes da cerimônia de posse de Joe Biden. Espera-se que o novo governo impulsione uma agenda de estímulos mais fortes de quase US$ 2 trilhões", resume o Western Union.

Na terça, a indicada para chefiar o Departamento do Tesouro, Janet Yellen, defendeu a necessidade de ampliar os gastos para fazer frente aos efeitos da pandemia. "Com juro baixo, o melhor a fazer é agir com grandeza", argumentou. Por outro lado, a Eurostat informou que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro teve alta de 0,3% em dezembro ante novembro, em linha com a previsão de analistas.

As expectativas por estímulos no maior consumidor mundial de petróleo levaram ações do setor à altas nesta quarta. Em Madri, a Repsol avançou 2,48%, e ajudou o IBEX 35 a fechar em alta, a 0,06%, 8.204,10 pontos. Royal Dutch Shell (+0,38%) e BP (+0,53%) subiram em Londres, e impulsionaram o FTSE 100 a uma alta de 0,41%, a 6.740,39 pontos.

Na Itália, a vitória do atual governo afastou no momento a crise política no país e deve dar alguma tranquilidade para a aplicação dos fundos da União Europeia. O banco Unicredit teve uma das principais altas em Milão, avançando 4,19%, setor que vinha tendo alguma volatilidade com o noticiário de Roma. O FTSE MIB fechou em alta de 0,93%, a 22.650,78 pontos.

O Carrefour acumulou mais uma baixa após o anuncio da suspensão das negociações de sua fusão com a canadense Couche-Tard, e teve baixa de 0,59%. O resultado limitou os ganhos do CAC 40 em Paris, que teve alta de 0,53%, 5.628,44 pontos.

Após o anúncio da extensão do lockdown na terça, a bolsa de Frankfurt acumulou ganhos, e o DAX fechou em alta de 0,77%, a 13.921,37 pontos. Em Portugal, por sua vez a adoção de novas medidas de restrição e possíveis aumentos nas proibições ajudou o PSI 20, em Lisboa, a ser a única baixa dentre as principais, recuando 0,15%, 5.069,74 pontos.

Confira os principais índices:

• Nova York - Dow: opera em alta de 0,6% a 31,117.49 pontos
• Londres - FTSE 100: subiu 0,4% a 6,740.39 (fechamento)
• Frankfurt - DAX 30: subiu 0,8% a 13,921.37 (fechamento)
• Paris - CAC 40: subiu 0,5% a 5,628.44 puntos (fechamento)
• Tóquio - Nikkei 225: baixou 0,4 a 28,523.26 (fechamento)
• Hong Kong - Hang Seng: subiu 1% a 29,962.47 (fechamento)
• Xangai - subiu 0,5% a 3,583.09 puntos (fechamento)

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895