Ministros da União Europeia querem fortalecer fronteiras externas após atentados

Ministros da União Europeia querem fortalecer fronteiras externas após atentados

Grupo também quer determinação de fazer avançar as negociações para uma legislação que permita remover "conteúdos de caráter terrorista"

AFP

A Comissária Europeia para Assuntos Internos, Ylva Johansson, se dirige a representantes da mídia em uma conferência de imprensa após uma reunião dos Ministros do Interior da UE no Conselho Europeu

publicidade

Os ministros do Interior dos países da União Europeia (UE) pediram nesta sexta-feira em uma declaração um reforço das fronteiras externas do bloco, depois dos atentados que aconteceram nas últimas semanas na França e Áustria. Na declaração, também expressam a determinação de fazer avançar as negociações para uma legislação que permita remover "conteúdos de caráter terrorista" de plataformas on-line.

A declaração foi divulgada em coincidência com o quinto aniversário dos ataques jihadistas realizados em 13 de novembro de 2015 em Paris. Os ministros europeus condenaram "nos termos mais enérgicos" os recentes ataques na França e Áustria. No documento, reafirmaram sua "determinação para fazer tudo o que esteja ao nosso alcance para combater este terror bárbaro de forma integral, com todas as ferramentas à nossa disposição".

Esses ataques "mostraram a magnitude da ameaça que enfrentamos de todas as formas de terrorismo. Somente juntos poderemos conter os terroristas e seus apoiadores", destacaram na declaração. De acordo com os funcionários europeus, o ataque islamita contra um professor de ensino médio na França "mostrou novamente a importância de combater a propaganda terrorista online, os discursos de ódio e a desinformação". O assassino usou uma rede social para transmitir o ataque ao vivo.

Por conta disso, os ministros reiteraram que as redes sociais e plataformas de acesso à internet "têm uma responsabilidade de garantir que seus serviços não sejam usados por atividades ilegais que promovam o crime, terrorismo ou o ódio".

 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895