capa

Não restará nada, diz porta voz da catedral de Notre-Dame

Incêndio consome a estrutura em Paris

Por
AFP

Bombeiros tentam conter as chamas em Paris

publicidade

As chamas destruíram, na noite desta segunda-feira no horário local, a emblemática catedral de Notre- Dame de Paris, o monumento histórico mais visitado da Europa, provocando a queda de sua torre e mergulhando o centro da capital francesa em uma grossa camada de fumaça. O fogo se espalhou rapidamente por toda a estrutura superior do edifício de quase mil anos de idade, provocando a queda de sua torre.

Na noite desta segunda, o comandante da brigada de incêndio dos Bombeiros de Paris, Jean-Claude Gallet, declarou: "Não temos certeza de poder impedir a propagação no campanário norte. Se ele desmoronar, você pode imaginar o tamanho dos danos".  "Paris está desfigurada. A cidade nunca voltará a ser como antes", lamentou Philippe, francês de 30 anos que estava no entorno. "Tudo está sendo devorado pelas chamas. Não restará nada da estrutura, que data do século XIX de um lado e do XIII do outro", disse à AFP o porta-voz da catedral, André Finot. 

Por ora, a causa do incêndio é desconhecida, mas segundo os bombeiros ele está "potencialmente ligado" aos trabalhos de renovação da igreja. Imensas chamas consumiam parte do teto do monumento gótico da Idade Média, lançando uma fumaça espessa e amarelada que se espalhava por vários quilômetros. Havia uma missão em curso "para tentar salvar todas as obras de arte" do monumento, informou Emmanuel Grégorie, vice-prefeito de Paris.

 

Parisienses aos prantos

Centenas de parisienses e turistas assistiam consternados ao incêndio das margens do rio Sena. "É uma loucura! Não posso acreditar, vou chorar. O teto todo está pegando fogo", disse à AFP Nathalie, francesa de 50 anos. "É inacreditável! Parte de nossa história está desaparecendo", lamentou Benoît, de 42 anos.

Uma parte da Île de la Cité, no coração da capital, estava sendo evacuada por questões de segurança dos moradores. Pelo Twitter, a polícia de Paris pediu para os franceses evitarem a região e cederem passagem aos veículos de resgate. O presidente francês, Emmanuel Macron, que adiou uma mensagem ao país prevista para a noite desta segunda-feira em resposta aos "coletes amarelos" e foi à catedral de Notre-Dame de Paris, afirmou compartilhar da "dor de toda uma nação". Todas as emissoras de TV e redes sociais estão transmitindo imagens da catedral, que faz parte do DNA da capital francesa. 

Incêndio terrível

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, lamentou no Twitter o "terrível incêndio" e afirmou que os bombeiros tentavam controlar as chamas. Ela ainda pediu para os moradores respeitarem o cordão de segurança criado em volta do local. Mais tarde, contudo, o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, afirmou que "não é uma certeza" que a catedral poderá ser salva.

Vários líderes mundiais manifestaram seu pesar, entre eles o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que classificou o incidente como "horrível", e sugeriu que as autoridades usem aviões-tanque para combater as chamas. A Defesa Civil de Paris alertou, contudo, que esse tipo de procedimento "poderia provocar o colapso de toda a estrutura". O Vaticano manifestou sua "incredulidade" e "tristeza" com o incêndio na catedral, "símbolo da cristandade na França e no mundo".

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a catedral de Notre-Dame é um "símbolo da França" e da "cultura europeia". A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que seus "pensamentos estão com a população francesa e com os serviços de emergências" da cidade. A catedral de Notre-Dame, que recebe cerca de 13 milhões de visitantes por ano, é o monumento histórico mais frequentado da Europa e foi imortalizada por Victor Hugo com seu personagem Quasimodo. 

Vídeos