Parceiro do Brasil, Israel já vacinou 13% e tem drive-thru da vacina contra Covid-19

Parceiro do Brasil, Israel já vacinou 13% e tem drive-thru da vacina contra Covid-19

País do Oriente Médio se aproximou do Brasil nos últimos anos, mas condução da vacinação difere entre Bolsonaro e Netanyahu

R7

Brasil e Israel tomaram caminhos distintos em relação à vacinação contra a Covid-19

publicidade

Brasil e Israel, parceiros históricos, vivem momento de grande proximidade desde a posse do presidente Jair Bolsonaro, há dois anos. Apesar das convergências, os países tomaram caminhos distintos em relação à vacinação contra a Covid-19. 

Em Israel, após lockdowns e picos de casos, o premiê Benjamin Netanyahu priorizou a corrida pela imunização e espera ser o primeiro país do mundo a ter todos os cidadãos vacinados. Para isso, comprou doses da Pfizer com preços superiores aos pagos por países europeus apostando que terá benefícios econômicos futuros com a imunização. Politicamente, ele tenta ter a imagem colada à vacina para se manter no cargo após as eleições de março, em meio a críticas de sua condução no combate à pandemia antes da vacina. Netanyahu foi o primeiro no país a ser vacinado, em 19 de dezembro, em registro que rodou o mundo. 

Por aqui, o presidente Bolsonaro não só não dá sinais de que a vacinação seja uma prioridade do seu governo, como declarou que não irá se vacinar: "Eu não vou tomar a vacina, e ponto final". Nos últimos dias, ele foi fotografado se jogando às multidões aglomeradas nas praias do litoral de São Paulo, como se não houvesse pandemia. 

Veja Também

Nesta segunda, Israel lidera o ranking mundial da vacinação, com 13% da população já imunizada e com doses suficientes para todos. Já o Brasil segue sem data do início da imunização e, não por acaso, na primeira segunda-feira do ano, viralizaram nas redes sociais do Brasil imagens de um drive-thru de vacinação em Haifa, com capacidade para imunizar 2.000 pessoas por dia. O vídeo foi postado por uma jornalista israelense e feito pelo Maccabi, um dos quatro sistemas público-privados de saúde do País.

Brasil e Israel 

O premiê Benjamin Netanyahu foi um dos dez chefes de Estado ou governo a participar da solenidade de posse do brasileiro, gesto que foi retribuído com a visita de Bolsonaro ao país do Oriente Médio no ano passado, com a promessa, não concretizada, de mudar a embaixada do Brasil para Jerusalém.  

Nesses dois anos, os países assinaram acordos de cooperação nas áreas de petróleo e gás, termoeletricidade, energia e mineiração e energias renováveis e fizeram parcerias nas áreas de ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento de startups. Também fizeram acordos aéreos para aumentar a conectividade entre os países e abriram caminho para futuras iniciativas militares conjuntas. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895