Mãe de Miguel e companheira são denunciadas e penas podem chegar a 41 anos em caso de condenação

Mãe de Miguel e companheira são denunciadas e penas podem chegar a 41 anos em caso de condenação

Mulheres foram denunciadas por tortura, homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de ocultação de cadáver

Correio do Povo

Para o MPRS, as duas mulheres devem ser submetidas a júri popular

publicidade

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou a mãe do menino Miguel, de sete anos, e a companheira dela, por tortura, homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de ocultação de cadáver. O caso da criança, dopada e jogada no rio Tramandaí, em Imbé, no Litoral Norte, já foi remetido ao Poder Judiciário. Para o MPRS, as duas mulheres devem ser submetidas a júri popular. 

Em caso de condenação de ambas, as penas máximas previstas pela acusação podem resultar em mais de 41 anos de reclusão. A mãe, de 26 anos, está na Penitenciária Feminina de Guaíba. Já a companheira dela, de 23 anos, encontra-se recolhida no Instituto Psiquiátrico Forense, em Porto Alegre. Ambas foram denunciadas pelo MPRS como autoras do crime investigado pela Polícia Civil. 

“Sem dúvida é o local adequado para que a sociedade, principalmente a comunidade litorânea, possa analisar. O Conselho de Sentença é o local em que se define e se mostra que tipo de conduta a nossa sociedade tolera ou não", enfatizou o promotor de Justiça André Luiz Tarouco Pinto, de Tramandaí. “Não tem local mais adequado para que este fato seja apurado e julgado perante o Tribunal do Júri”, acrescentou.

Os detalhes da denúncia foram apresentados na manhã desta terça-feira em uma entrevista coletiva à imprensa realizada na sede do MPRS, em Porto Alegre. Nesta data completam-se 20 dias de buscas, ainda sem êxito, pelo menino Miguel por parte do efetivo do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul (CBMRS) ao longo da orla entre Mostardas e Torres, no Litoral Norte.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895