Apreensão de celular de Bolsonaro "poderá ter consequências imprevisíveis", diz Heleno
capa

Apreensão de celular de Bolsonaro "poderá ter consequências imprevisíveis", diz Heleno

Chefe do gabinete de Segurança Institucional disse que ação "seria uma afronta à autoridade máxima do Executivo"

Por
Correio do Povo

Chefe do gabinete de Segurança Institucional disse que ação seria uma afronta à autoridade máxima do

publicidade

O ministro chefe do gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno, disse, em nota publicada nesta sexta-feira, que a apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro pode trazer "consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional". No documento, o general disse que o pedido é "inconcebível", "inacreditável" e uma "afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e interferência inadmissível de outro poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País".

Heleno também alertou que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes. A nota se refere às notícias-crimes recebidas pela Procuradoria-Geral da República que pedem novas providências dentro do inquérito que investiga a interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF). Além do depoimento do presidente, há pedidos para busca e apreensão do celular dele e do telefone de Carlos Bolsonaro, filho do presidente e vereador no Rio de Janeiro. 

Ainda hoje, deve acontecer a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril. A abertura do sigilo foi autorizado pelo decano do Supremo Celso de Mello. Neste encontro, o presidente Jair Bolsonaro teria tentado interferir politicamente na PF, de acordo com informações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro.