Ministro do Turismo é a 7ª autoridade presente à posse de Fux a pegar Covid-19

Ministro do Turismo é a 7ª autoridade presente à posse de Fux a pegar Covid-19

Marcelo Álvaro Antônio está assintomático e seguirá isolado e trabalhando de sua casa

AE

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, está com Covid-19

publicidade

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, testou positivo para o novo coronavírus nesta sexta-feira. Segundo nota divulgada pela pasta, o ministro encontra-se assintomático e seguirá isolado e trabalhando de casa, adotando os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde.

Álvaro Antônio é a sétima autoridade presente na posse de Luiz Fux na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) a ser diagnosticada com o novo coronavírus. O evento foi realizado na sede do tribunal, em Brasília, no último dia 10 de setembro. O próprio ministro Fux foi diagnosticado com a doença.

Estiveram na solenidade e testaram positivo para a Covid-19: Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara; Luis Felipe Salomão, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ); Antonio Saldanha Palheiro, ministro do STJ); Maria Cristina Peduzzi, presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST); Augusto Aras, procurador-geral da República; e Marcelo Álvaro Antônio, ministro do Turismo.

Em nota divulgada nessa quinta-feira, quando seis convidados já haviam sido diagnosticados com o novo coronavírus, o STF afirmou que passou a contactar os demais presentes sobre a importância de buscarem o serviço médico caso tenham algum sintoma.

"O Supremo Tribunal Federal, por meio do setor de Cerimonial, está em contato com os convidados que estiveram presentes à solenidade para alertá-los sobre a importância de buscarem serviço médico, caso tenham se exposto de alguma forma também em outros eventos fora do STF. A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde (SIS) do Tribunal também está atenta e à disposição dos servidores para orientá-los sobre eventual realização de testes e procedimentos a serem adotados em casos positivos", diz nota enviada pela Corte.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895