Movimento na CCJ do Senado tenta aprovar lei sobre armas

Movimento na CCJ do Senado tenta aprovar lei sobre armas

Comissão fará audiência pública na próxima terça-feira, com intenção do relator de conseguir votar texto no dia seguinte

R7

Presidente da CCJ, senador Davi Alcolumbre, e relator de projeto relativo a armas, Marcos do Val

publicidade

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado terá na próxima terça-feira uma audiência pública para discutir um projeto de lei que altera o Estatuto do Desarmamento, aprovado na Câmara dos Deputados em novembro de 2019, flexibilizando o acesso a armas pelos caçadores, atiradores e colecionadores (CACs). Encabeçado pelo relator, Marcos do Val (Podemos-ES), o objetivo de parte dos membros da comissão é já conseguir aprovar a matéria no dia seguinte, na quarta-feira.

Devem comparecer à audiência a advogada e conselheira do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), Isabel Figueiredo; a assessora especial do Instituto Igarapé, Michele Gonçalves dos Ramos; e o empresário e instrutor de tiro Thyago Almeida Pignataro.

A comissão ainda aguarda confirmação do gerente de advocacia do Instituto Sou da Paz, Felippe Angeli; do procurador Federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena; do presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro; do presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva; e do representante do Movimento Proarmas, Marcos Sborowski Pollon.

Como mostrado no R7, esse debate voltou ao Senado Federal na semana passada, depois que o assunto foi debatido na CCJ, apesar de não constar na pauta. A retomada neste momento se dá pelo receio do relator de que haja algum pedido de liminar no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto durante o recesso do Judiciário (quando as decisões em colegiado são interrompidas) e algum ministro decida sozinho a questão.

Veja Também

O risco foi confirmado a ele, segundo do Val, pelo ministro Nunes Marques, o primeiro indicado do presidente Jair Bolsonaro à Corte. Ao R7, o senador disse que se reuniu com Nunes Marques há cerca de duas semanas para falar sobre o assunto. Após pedidos de vista, estão travados com o ministro julgamentos de várias ações de constitucionalidade de decretos do presidente Bolsonaro que facilitaram o acesso a armas de fogo.

O senador ressaltou que há o "receio que, de repente, um ministro receba demanda de liminar e monocraticamente acabe tomando uma decisão durante o recesso". "Por isso, essa velocidade de pautar agora", justificou. Segundo o senador, uma decisão liminar traria instabilidade ao tema. Apesar do movimento por parte dele e de outros senadores, há uma ação contrária de alguns membros da comissão, em especial dos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Eliziane Gama (Cidadania-MA).

A matéria é uma grande bandeira de campanha do presidente Jair Bolsonaro. O projeto em questão é do Executivo — depois de não emplacar mudanças por meio de decretos — e previa porte de armas a uma série de categorias, mas foi amplamente alterado na Câmara. A versão final aprovada refere-se, em sua maioria, a novas regras para os CACs. Na prática, traz facilidades a essas pessoas.

Apesar de ser uma matéria do governo, Marcos do Val afirmou que a aprovação não beneficia o presidente. "Ele não é o mesmo projeto que o presidente apresentou. O decreto hoje é melhor para os CACs do que o projeto. Mas é melhor um projeto que dê as garantias jurídicas", disse.

A versão original permitia que um caçador ou atirador desportivo tivesse 60 armas, mas o texto aprovado na Câmara abaixou o número para 16. O texto também estabelece que "o atirador esportivo com mais de 25 anos terá direito à autorização para porte de arma de fogo que integre seu acervo desde que tenha mais de cinco anos da primeira emissão do certificado de registro".


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895