Prefeitura recomenda não conceder aumento salarial aos rodoviários em 2020
capa

Prefeitura recomenda não conceder aumento salarial aos rodoviários em 2020

Medida foi proposta para Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) nesta quarta-feira

Por
Correio do Povo

Prefeitura recomendou não conceder aumento salarial para a categoria

publicidade

A Prefeitura de Porto Alegre recomendou a não concessão de aumento salarial aos rodoviários em 2020. A informação foi divulgada em nota oficial nesta quarta-feira. A medida foi proposta para a Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP).

Conforme a nota da Prefeitura, o custo da mão de obra (motoristas e cobradores) do transporte coletivo da Capital já é o segundo maior do país. Somente esse item representa quase 50% do valor da tarifa.

A Prefeitura afirma que, desde 2017, foram propostas alternativas já testadas em outros municípios para diminuir o valor da passagem de ônibus. No entanto, segundo a nota, o Legislativo não "se mostrou sensível ou propositivo à pauta".

Ainda segundo o governo municipal, o valor da passagem, já elevado, caminha para "patamares inaceitáveis". Diante disso, não é suportável nenhum acréscimo aos custos, tais como "aumento salarial, pois os mesmos, por força de lei, irão compor o reajuste da tarifa", finalizou o texto.

Pedido de reajuste

No dia 20 de janeiro, os rodoviários entregaram reivindicações referente ao dissídio salarial de 2020. Na ocasião, as propostas reuniam mais de 20 itens. O pedido de reajuste, de 7%, era equivalente ao Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC), mais 2,52% de aumento real e um aumento no vale-alimentação para R$ 30,50.

Três dias depois, as empresas de ônibus sugeriram aumento de R$ 0,50 na tarifa. O Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) protocolou junto à prefeitura um pedido de revisão tarifária de R$ 0,50 para serviço de transporte coletivo por ônibus. A passagem passaria dos atuais R$4,70 para R$5,20.

Em uma proposta para conter o aumento, a Prefeitura propôs um pacote "Transporte Cidadão", com uma série de medidas que tinha como objetivo reduzir a tarifa de ônibus em Porto Alegre, que, nas contas do Executivo, poderia passar a custar R$ 2 no ano que vem. Entre as medidas, a retirada do cobrador em determinados horários, o que foi rejeitado por 23 votos a nove na Câmara Municipal. Os outros projetos não têm data para serem analisados. 

Confira a nota da Prefeitura na íntegra:

A Prefeitura de Porto Alegre recomendou à Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP) que não conceda aumento salarial aos rodoviários em 2020. Atualmente, o custo da mão de obra (motoristas e cobradores) do transporte coletivo da Capital já é o segundo maior do país. Somente esse item representa quase 50% do valor da tarifa. Os motoristas ganham 20% a mais que a média nacional e os cobradores têm remuneração até 29% superior a outras cidades brasileiras.

Desde 2017, a Prefeitura de Porto Alegre propôs todas as alternativas já testadas em vários municípios e países para diminuir o valor da passagem de ônibus. O Legislativo não se mostrou sensível ou propositivo à pauta. Os próprios rodoviários trabalharam contra as alternativas propostas. Todas as ações que dependiam da organização e gestão da Prefeitura foram realizadas.

A Prefeitura acrescentou novas propostas às que tramitam desde 2017 sem enfrentamento pelos vereadores. Os rodoviários são contra, e não vemos em parte do Legislativo o desejo de aprovação ou de sugestão de outras medidas.

O valor da passagem, que já é elevado, caminha para patamares ainda mais inaceitáveis. Sem novas fontes de financiamento, sem reduzir os gastos, não é suportável mais nenhum acréscimo nos custos, como aumento salarial, pois os mesmos, por força de lei, irão compor o reajuste da tarifa.