TRF4 forma maioria para aumentar pena de Lula no caso do sítio
capa

TRF4 forma maioria para aumentar pena de Lula no caso do sítio

Desembargador Leandro Paulsen acompanhou integralmente o voto do relator para condenação a 17 anos

Por
R7

Ainda resta um voto

publicidade

O desembargador Leandro Paulsen acompanhou integralmente o voto do relator João Pedro Gebran Neto e formou maioria contra a anulação da condenação e pelo aumento da pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na ação envolvendo o sítio de Atibaia. Na ação, o petista é acusado pelos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. A decisão já forma a maioria do  Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) para elevar a pena para 17 anos, 1 mês e 10 dias de reclusão. Ainda resta o voto do desembargador Thompson Flores.

O julgamento analisa nesta quarta-feira recurso da defesa, que pedia a absolvição de Lula ou a nulidade do processo, alegando não haver provas e que o julgamento foi parcial. O TRF analisou também recurso do Ministério Público Federal, que pedia o aumento da pena. Na primeira instância, Lula tinha sido condenado a 12 anos e 11 meses de prisão, acusado de fazer parte de um esquema de pagamento de propina pela Odebrecht ao PT em troca de vantagens em contratos na Petrobras e ainda de ser beneficiado pela reforma feita pela empreiteira e pela OAS, no valor de R$ 870 mil, no sítio utilizado por ele e sua família em Atibaia.

Um dos motivos para o aumento da pena foi a aplicação de um artigo do Código Penal defendido pelo Ministério Público Federal, que a pena deve ser aumentada em um terço quando se trata de crime contra a administração pública praticado de forma a infringir o "dever funcional".