Com discurso relativista e sequência de empates, Renato vive momento de maior contestação no Grêmio

Com discurso relativista e sequência de empates, Renato vive momento de maior contestação no Grêmio

Time tem apenas uma vitória em sete jogos no Brasileirão, e escolhas do treinador são fortemente questionadas por torcedores nas redes sociais

Rafael Peruzzo

Péssima campanha no início do Campeonato Brasileiro é o reflexo de um time que não vem encontrando soluções para vencer as partidas

publicidade

Às vésperas de completar quatro anos no comando técnico, em sua terceira passagem pelo Grêmio, Renato Portaluppi enfrenta o pior momento no cargo. A péssima campanha no início do Campeonato Brasileiro é o reflexo de um time que não vem encontrando soluções para vencer as partidas – o calendário já soma um mês sem um triunfo tricolor. A crise técnica da equipe, combinada com o discurso ameno e relativista do próprio treinador e também da direção, causa indignação em grande parte da torcida gremista.

As justificativas para a queda vertiginosa de desempenho se repetem a cada resultado ruim. “No Grêmio não existe crise, apenas crise de ganhar muitos títulos”. “Uma hora a bola vai entrar e tudo volta ao normal”. “Não me preocupa o início, daqui a pouco o Grêmio volta a vencer”. As frases são das mais recentes entrevistas coletivas de Renato, após a derrota para o Sport, na Arena, e o empate com o Atlético Goianiense, no domingo. Para muitos, um discurso externo que tem como objetivo blindar o grupo de jogadores.

Internamente, nos bastidores, há informações que apontam para uma cobrança maior a partir de agora. Antes das últimas partidas, o treinador havia demonstrado uma insatisfação com a tabela do clube nas rodadas iniciais. Segundo ele, o Grêmio só havia enfrentado “pedreiras”. Porém, mesmo com os confrontos contra equipes teoricamente mais frágeis, o time não venceu.

“Assim que decolarmos com duas, três vitórias, voltaremos a ficar no andar de cima”, declarou o vice de futebol, Paulo Luz, depois do empate de domingo. “Estamos trocando o pneu com o avião voando” foi a curiosa analogia do dirigente em referência ao fato de ter jogadores saindo e outros chegando. Mas a aeronave está em turbulência.

“No Campeonato Brasileiro é assim mesmo, muitos clubes disparam e quem sempre chega é o Grêmio”, afirmou Renato. A repercussão entre os torcedores nas redes sociais foi bastante negativa. Diretoria e comissão técnica, desde 2016, jamais sofreram tamanha contestação. O Grêmio tem apenas uma vitória em sete jogos no Brasileirão. As atuações deixam a desejar.

Na sexta-feira, o presidente Romildo Bolzan Júnior decidiu rescindir o contrato do meia Thiago Neves. Não estão descartadas mudanças no departamento de futebol do clube. A troca no comando técnico, neste momento, não está sendo cogitada, mas pode haver alteração em membros da comissão técnica. Bolzan esteve com a delegação em Goiânia, onde o Grêmio empatou com o Atlético-GO.

Em outras oportunidades, como em 2019, quando o Grêmio tinha somente um ponto em três jogos na Libertadores e corria o risco de eliminação na fase de grupos, Renato conseguiu dar a volta por cima. Fez alterações no time, e a resposta veio.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895