Central de Reciclagem de Campo Bom terá nova sede
capa

Central de Reciclagem de Campo Bom terá nova sede

O antigo prédio não comporta mais a demanda diária de processamento

Por
Stephany Sander

Os investimentos somam mais de R$ 599 mil, provenientes do FUNDEMA/Livre

publicidade

Passando por obras de reformulação, a Central Municipal de Triagem e Reciclagem de Resíduos Sólidos Urbanos, de Campo Bom, terá uma nova sede. O antigo prédio, com capacidade para processamento de 20 toneladas por dia, não comporta mais a demanda diária que é de 40 toneladas.

Segundo o prefeito Luciano Orsi, a obra prevê melhorias como a cobertura do pátio de recebimento dos materiais, onde o lixo fica armazenado antes da triagem, e da estação de transbordo, onde o rejeito fica armazenado em contêineres até o transporte para disposição final, passando a atender as exigências legais da FEPAM para operação. Os investimentos somam mais de R$ 599 mil, provenientes do FUNDEMA/Livre.

“Temos a necessidade de regularizar a estrutura da central de triagem pois, desde 2013, o município recebeu diversas multas por não dispor de cobertura adequada na área de recebimento dos resíduos. Em 2017, realizamos os diagnósticos e a elaboração dos projetos e, em 2018, conseguimos aprovar as propostas e regularizar o licenciamento junto a Fepam. Agora, com a construção dos novos prédios teremos estrutura para retomar a condição de município modelo na gestão de resíduos, dando ainda melhores condições para os trabalhadores que utilizam a área”, destaca Orsi.

Após a conclusão da obra um novo projeto se inicia, relacionado à aquisição de equipamentos para melhorar os processos tecnológicos na triagem e beneficiamento dos materiais, aumentando o percentual de reciclagem e, assim, diminuindo a quantidade de rejeito destinado para o aterro sanitário. “Cada tonelada de material reciclado representa uma economia de R$ 160 em disposição final, sem contar as despesas e o impacto ambiental do transporte dos rejeitos até o aterro”, complementa Orsi.