Economia de Caxias do Sul fecha 2020 com queda de 8,3%

Economia de Caxias do Sul fecha 2020 com queda de 8,3%

Indústria, comércio e serviços apresentaram resultados negativos no fechamento do ano

Celso Sgorla

O ano de 2020 encerrou com um total de 145.590 postos de trabalho em Caxias do Sul

publicidade

A economia de Caxias do Sul apresentou queda de 8,3% no ano passado, segundo levantamento da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC) e Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL).

Os três segmentos - indústria, comércio e serviços - apresentaram resultados negativos no fechamento do ano. Os números da indústria mostram que o setor foi o que melhor se recuperou durante a pandemia, com índice de 0,9% de queda. Já o comércio e os serviços caíram 16,7% e 16,9%.  Estes e outros números do desempenho foram divulgados nesta quinta-feira,04, pelas duas entidades empresariais.

Durante a coletiva de apresentação dos dados, dirigentes das duas entidades ressaltaram o fato de que a indústria foi o segmento que melhor se recuperou da crise econômica provocada pela pandemia de Covid-19. 

O comércio e os serviços tiveram mais dificuldades para a retomada econômica pós-março de 2020, levando em conta que as restrições de funcionamento para estes setores foram mais severas, principalmente, para os serviços, formados por atividades como educação, turismo e lazer, e que, por envolverem aglomeração de pessoas, estavam proibidas por decretos municipais e estaduais.

O presidente da CIC Caxias, Ivanir Gasparin, avaliou que a retomada da economia e, principalmente dos empregos e do poder de compra dos consumidores, deverão ganhar impulso se o governo fizer a sua parte, implementando as reformas administrativa e tributária e investindo em obras de infraestrutura. “As reformas são uma maneira de os governos municipal, estadual e federal terem fôlego”, frisou Gasparin.

O ano de 2020 encerrou com um total de 145.590 postos de trabalho em Caxias do Sul, com a retração de 4.072 vagas, o que representa queda de -2,7% em relação a 2019.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895