Em projeto experimental, trem das Missões entra em operação
capa

Em projeto experimental, trem das Missões entra em operação

São quatro opções de roteiro, além de diversas atrações culturais durante viagem em Maria Fumaça

Por
Felipe Dorneles

A atração turística é experimental, com chances de se tornar permanente

publicidade

Turistas e moradores da região das Missões conheceram, nesse final de semana, uma nova atração turística: o passeio do Trem das Missões. A locomotiva Maria da Fumaça, com 10 vagões, levou o público para uma viagem ao tempo, contando a história da região Noroeste do Rio Grande do Sul. Em um trajeto de 55 km, os passageiros lembraram e conheceram um pouco mais sobre o passado dos imigrantes, dos municípios da região e da cultura gaúcha.

A atração oferece roteiros de Santo Ângelo a Catuípe e Catuípe a Ijuí, assim como há saídas de Santo Ângelo a Catuípe e Ijuí a Catuípe. Grupos de Centros de Tradições Gaúchas (CTG) e folclóricos realizam apresentações dentro do trem e nas estações ao longo da viagem.

A atração turística é experimental, com chances de se tornar permanente. A intenção do projeto é o fortalecer o desenvolvimento do turismo regional, segundo os organizadores. Os passeios ocorreram na sexta, sábado e domingo, e seguem na próxima semana, dias 28 e 29 de setembro.

Procurador do Ministério Público Federal (MPF) em Santo Ângelo, Osmar Veronese viajou na Maria Fumaça e diz que o acolhimento ao público foi excelente. “A iniciativa é muito boa para a região, que tem lindas paisagens. Esse pode e deve ser um roteiro turístico do Estado”. Ele ressalta que o trem é um símbolo que abraça o passado e também o futuro, fazendo o resgate da origem das cidades. “Aposto em um projeto cultural e econômico para a região”. 

O valor do bilhete é R$ 70 para adultos e R$ 66,50 para crianças. Menores de cinco anos não pagam passagem. Os bilhetes podem ser adquiridos através do site da Maria Fumaça ou em pontos de venda nos municípios parceiros. O Trem das Missões é um projeto do Ministério Público Federal (MPF), Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) e prefeituras de Santo Ângelo, Catuípe e Ijuí.