Estátua de Teixeirinha é revitalizada e recebe máscara contra Covid-19 em Passo Fundo

Estátua de Teixeirinha é revitalizada e recebe máscara contra Covid-19 em Passo Fundo

Patrimônio histórico e cultural, obra recebeu reparos para conter o avanço do desgaste e da corrosão na estrutura de sustentação

Agostinho Piovesan

Máscara colocada na estátua tem as cores da bandeira do Rio Grande do Sul

publicidade

A estátua do cantor, compositor e cineasta, Vitor Mateus Teixeira, o Teixeirinha, instalada no final dos anos 1980 no Centro de Passo Fundo, tornou-se, agora, símbolo de conscientização sobre a necessidade do uso da máscara durante a pandemia. Patrimônio histórico e cultural, este é um dos principais pontos turísticos do município.

Revitalizada pela prefeitura, a obra recebeu reparos para conter o avanço do desgaste e da corrosão na estrutura de sustentação da estátua. Antes de ser entregue à comunidade, ganhou também um adereço: uma máscara com as cores da bandeira do Rio Grande do Sul. “Aproveitamos o fato de a imagem ser historicamente reconhecida e identificada com o município para incentivar as práticas de prevenção contra o coronavírus”, disse o prefeito Pedro Almeida.

A estátua do Teixeirinha foi criada por Paulo Batista de Siqueira, artista nascido em Soledade e que residiu em Passo Fundo, onde realizou sua primeira exposição aos 16 anos e passou sua adolescência. Segundo a Administração Municipal, suas esculturas eram feitas com refugo de materiais, como ferro, aço e alumínios. Em Passo Fundo, duas de suas obras são consideradas grandes marcos: Teixeirinha e O Homem Voador, no Parque da Gare.

Conforme o prefeito, o artista passo-fundense Carlinhos Tabajara, que interpreta o personagem 'Nico, velho gaúcho', foi convidado para gravar uma música em referência ao tema. “A canção, no caso, é uma paródia daquela que tornou-se o hino não oficial de Passo Fundo: Gaúcho de Passo Fundo, eternizada por Teixeirinha”, observa Almeida.

Nos versos da paródia, Tabajara orienta as pessoas a não abandonarem o uso da máscara e reforça que gaúcho consciente é gaúcho que se cuida. “A arte tem nos ajudado a cruzar esse tempo tão difícil e diferente de tudo o que já vivemos. Teixeirinha fez de Passo Fundo uma cidade conhecida com sua arte musical e cinematográfica. Agora, recorremos a ele outra vez, para que as pessoas entendam que, com cuidados, podemos nos proteger do vírus, sim”, observou a secretária de Cultura, Miriê Tedesco.

Paródia da música Gaúcho de Passo Fundo

Me perguntaram se eu uso máscara
Está na cara repare meu jeito
Eu sou gaúcho, eu sou consciente
Lavo bem as mãos
A vida eu respeito
Sou Passo Fundo
Sair vivo eu quero
Eu tomo cuidado
E não me aglomero


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895