Fonte de surto de infecção em Santa Maria não é identificada
capa

Fonte de surto de infecção em Santa Maria não é identificada

Análise laboratorial evidenciou agentes bacterianos, mas não conseguiu localizar origem

Por
Correio do Povo

As investigações para encontrar origem da infecção seguem em Santa Maria

publicidade

A prefeitura de Santa Maria divulgou, na noite desta terça-feira, uma nota sobre o surto de infecção intestinal que atingiu o município no fim de dezembro do ano passado e início de janeiro de 2020. Dois alunos de uma escola da cidade morreram.

De acordo com a investigação epidemiológica realizada nos casos suspeitos, os resultados laboratoriais analisados pelo Lacen-RS e pelo Laboratório de Referência Nacional da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) identificaram dois agentes bacterianos: Escherichia coli e Campylobacter jejuni. Apesar dos dados coletados até o momento, ainda não se pode identificar a fonte de infecção e, por isso, a investigação do surto continua em curso.

Ainda segundo a nota, a identificação das bactérias auxilia no direcionamento na busca pela origem do surto, mantendo a vigilância para novos casos que tenham relação com a escola. Os casos serão monitorados por mais 30 dias até que não se registrem novos. A Vigilância em Saúde do Município terá de ser notificada caso qualquer pessoa dê entrada em unidade de saúde pública ou privada com vômito, diarreia e/ou dores abdominais e que tenha algum tipo de relação com a Escola de Educação Infantil do SESI.

A prefeitura de Santa Maria está atuando na elaboração de um plano com o Laboratório de Microbiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) para a realização de uma técnica de diagnóstico biomolecular em que seriam examinadas as amostras de pessoas ligadas à escola e que tiveram os sintomas.