Furto de aparelho de medição do nível de rio em Santa Cruz do Sul preocupa moradores

Furto de aparelho de medição do nível de rio em Santa Cruz do Sul preocupa moradores

Líderes comunitários buscam o apoio para encontrar a estação que serve para analisar nível das águas do rio Pardinho

Por
Otto Tesche

Aparelho que foi furtado no local onde estava instalado


publicidade

Líderes comunitários de Santa Cruz do Sul buscam o apoio da população para encontrar informações ou o paradeiro da estação telemétrica instalada junto à barragem de captação do Lago Dourado, no rio Pardinho, em 2019. Importado da Finlândia, o equipamento auxilia no monitoramento de rios e da quantidade de precipitações, para melhorar a tomada de decisões durante uma situação de cheia. O furto no local ocorreu no início do mês e até agora não há pistas sobre o destino do aparelho.

O equipamento furtado era o segundo em funcionamento na região. Há quatro anos, em Sinimbu, houve a instalação da primeira estação telemétrica na região. O trabalho de forma sincronizada entre Sinimbu e o ponto que existia no rio Pardinho, no interior de Santa Cruz do Sul, auxilia no cálculo de cheia, para que a Defesa Civil projete ações para retirada de famílias ribeirinhas ou em situação de risco durante uma cheia do rio Pardinho.

O geógrafo da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Infraestrutura Sérgio Ferreira é o responsável pela instalação e manutenção das estações telemétricas no Estado. Ao todo, são 180 equipamentos que se comunicam via satélite, informando ao governo a movimentação pluviométrica nos mananciais gaúchos. “A estação de Santa Cruz do Sul havia sido conectada neste ano. Ela já estava em operação quando foi levada”, explicou.

O aparelho custa na faixa dos US$ 12 mil, algo em torno dos R$ 58,2 mil. A estação telemétrica mede o volume de chuva acumulado, assim como o nível do rio. Os dados são repassados via satélite para a Agência Nacional das Águas (ANA), em Brasília, que direciona as informações para os estados e municípios. Se estivesse funcionando, a estação telemétrica geraria dados que podem ser recebidos no smartphone, por meio de aplicativo. “Ela funcionava de forma autônoma, com baterias e luz solar”, reforçou Ferreira.

O empresário Hardi Lúcio Panke classifica como lamentável o furto da estação junto do rio Pardinho e defende que seja feita uma campanha junto à comunidade, para que se consiga reaver o equipamento. Segundo ele, a instalação do aparelho ocorreu por meio de uma grande mobilização comunitária a favor do trabalho ágil em defesa da vida em situação de cheias.


“Nós falamos com a Secretaria do Meio Ambiente e não há previsão de substituição. Precisamos encontrar este aparelho que não tem valor comercial”, apela.