Gincana estimula alunos a fazer a separação do lixo em Rio Pardo
capa

Gincana estimula alunos a fazer a separação do lixo em Rio Pardo

Participam da ação cinco escolas da zona rural e uma da área urbana do município

Por
Otto Tesche

Coleta do lixo na escolas Casemiro de Abreu

publicidade

Os alunos de seis escolas do ensino fundamental de Rio Pardo, no Vale do Rio Pardo, contam com um estímulo especial para aprender a destinar de forma correta os resíduos sólidos. Até o fim do ano, eles participam da 1ª Gincana Municipal da Coleta Seletiva, criada por meio da parceria entre as secretarias do Meio Ambiente, da Educação e do Interior, junto com a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Rio Pardo (Cocamarp) e a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc). O Ministério Público também entrou como parceiro no fim de julho, com a destinação de cerca de R$ 10 mil procedentes de acordos extrajudiciais para a aquisição de sete computadores para a premiação.

A gincana tem a participação de cinco escolas da zona rural e uma da área urbana. O assessor técnico da Secretaria do Meio Ambiente, Vicente Goulart, explica que a atividade consiste em três tarefas. A principal é a coleta de material reciclado pelos alunos. A cada mês a cooperativa vai até os colégios e faz a pesagem dos resíduos, que resultam em pontos, e leva o material para seleção na sede para posterior comercialização. Ao final da competição, a pontuação total de cada escola será dividida pelo número de alunos.

O assessor técnico da Secretaria do Meio Ambiente afirma que todas as escolas serão premiadas, independente da colocação na pontuação final da gincana. A promotora Christine Mendes Ribeiro Grehs disse que a iniciativa se trata de uma ação organizada com engajamento de toda comunidade escolar. Por isso, o MP decidiu destinar as verbas, via Fundo Municipal do Meio Ambiente, procedentes dos acordos extrajudiciais com proprietários de construções irregulares em áreas de preservação permanente junto aos rios Jacuí e Pardo para a aquisição de computadores para as escolas envolvidas na ação.

A gincana mobiliza toda a comunidade escolar nos colégios participantes. Os pais dos alunos da Emef Olavo Bilac, de Passo da Areia, por exemplo, ajudam a levar os resíduos até mesmo com carroças. O espaço para o depósito chega a acumular uma montanha de lixo acondicionado em sacos plásticos até o recolhimento pela Cocamarp. A diretora Marta Silveira afirma que, na localidade, há a coleta semanal do lixo pela Prefeitura, mas não havia antes a seletiva. A escola, de 240 alunos do pré ao 9º ano, tem um grupo ambiental e já desenvolveu algumas ações, como recolhimento de tampas e lacres de latas de bebidas e de óleo saturado.

Os alunos da escola Casemiro de Abreu, de Albardão, localizada a 38 quilômetros do Centro de Rio Pardo, trazem, praticamente todos os dias, sacolas com latinhas de bebidas e outros objetos com o ônibus. O computador obtido com a gincana terá um significado especial para os estudantes. A diretora Juliana Silveira Barros explica que atualmente o colégio tem um para uso dos professores e outro para a área administrativa, mas nenhum para utilização dos alunos. “Este computador será o primeiro que poderemos disponibilizar para eles”, observa.

A promotora Christine Mendes Ribeiro Grehs destaca que a atividade envolve o meio ambiente, um dos focos institucionais do MP dentro da função de atender e fiscalizar o olhar coletivo. Lembrou que há 10 anos iniciou a ação com o objetivo de regularizar a situação das construções irregulares nas margens dos rios Jacuí e Pardo e, também, em área de preservação permanente no município de Pantano Grande. Os acordos com os proprietários envolvem compensações, com a doação de kits sanitários e desembolso financeiro, recurso com o qual haverá a compra dos computadores para as escolas participantes da gincana e, também, um para a Cocamarp.

A coordenadora geral da Cocamarp, Nildete da Silva Pereira Santos, destaca que, acima do interesse financeiro da cooperativa, o trabalho nas escolas é importante para despertar a conscientização ambiental nos jovens. “Os alunos conhecem a ideia da separação, entendem e levam para casa para colocar em prática”, afirma. A cooperativa realiza há 19 anos o trabalho de coleta seletiva na cidade e desafiou a Secretaria do Meio Ambiente a estender a ação ao interior do município, pois nesta área há grande quantidade de material reciclável.