Mortalidade por Covid-19 em Uruguaiana é inferior aos índices do RS

Mortalidade por Covid-19 em Uruguaiana é inferior aos índices do RS

Relatório foi elaborado pela Santa Casa de Caridade do município

Fred Marcovici

Santa Casa de Uruguaiana realizou estudo

publicidade

A Santa Casa de Caridade de Uruguaiana tem taxas de mortalidade por Covid-19 inferiores aos registros do Rio Grande do Sul. É o que aponta o relatório elaborado pela área assistencial da instituição e que integrou o raio x apresentado pelo prefeito Ronnie Mello no final de semana contando com a participação de representantes do Comitê de Contingenciamento (COE) e vereadores.

Mello ressaltou que não há o que comemorar, mas os dados demonstram que muitas outras vidas poderiam ter sido perdidas. O documento é assinado pelo coordenador do serviço de fisioterapia da instituição, Rafael Malheiros e pela coordenadora de enfermagem, Graciane Lafuente que detalharam os índices.

O relatório revelou dados referentes aos atendimentos ocorridos de março de 2020 até maio de 2021. Na comparação com os dados publicados pelo estado do Rio Grande do Sul, a mortalidade inferior à registrada no Estado se repete nos três índices considerados: taxa de óbito geral em internações, a taxa de óbito em UTI e a taxa de óbito em ventilação mecânica. 

No índice geral, a taxa de mortalidade na Santa Casa é de 27,51% enquanto o índice gaúcho é de 39%. Entre os pacientes da UTI, a Santa Casa tem um índice de 63,35%, enquanto o Rio Grande do Sul um percentual de óbitos de 81%. Entre os pacientes que necessitam de ventilação mecânica (intubação) a mortalidade na Santa Casa é de 80,42%, enquanto no RS atinge 91%. 

Ao analisar a taxa de mortalidade registrada no ano de 2020, o HSCU apresenta um índice abaixo do índice nacional. Enquanto no Brasil, a mortalidade fechou o ano em 38%, o índice da Santa Casa é de 23%, se aproximando dos índices registrados em países europeus, como a da Alemanha, que é de 22%. Segundo o relatório, entre março de 2020 até maio de 2021 a Santa Casa anotou 1.334 pacientes internados, com aumento expressivo nos cinco primeiros meses de 2021, sendo 330 hospitalizações no ano passado e 1.004 em 2021. 

Desse total, 908 receberam alta hospitalar e 367 foram a óbito (incluindo pacientes de outras cidades que foram atendidos na instituição); e 54 pacientes foram transferidos para outros municípios. Em 2020, 72,8% dos pacientes hospitalizados receberam alta, 23,3% faleceram e 4,8% foram transferidos para outras cidades. 

Já entre os pacientes internados em 2021 - com mais de três vezes o número de internações - 66,8% receberam alta e 28,8% faleceram. O percentual de doentes transferidos para outras instituições também foi menor, 3,3%, indicando que o HSCU foi responsável pelo tratamento de quase 100% dos uruguaianenses que necessitaram de hospitalização. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895