Pelotas decreta calamidade pública devido a classificação de bandeira vermelha

Pelotas decreta calamidade pública devido a classificação de bandeira vermelha

Novas diretrizes foram determinadas no município

Por
Angélica Silveira

publicidade

A Prefeitura de Pelotas decretou, na tarde desta segunda-feira, calamidade pública em todo o município. A cidade entrou em bandeira vermelha, nesta terça-feira, pelo modelo de distanciamento controlado do governo do Estado.

Em uma live pela internet, a prefeita Paula Mascarenhas decretou, entre as determinações, o cancelamento de cirurgias eletivas, com exceção das oncológicas, o fechamento do comércio em geral, de academias, bem como os espaços em condomínios residenciais, salões de beleza, barbearias, podologias, clinicas de estética, galerias comerciais do Mercado Central, do Pop Center, do Shopping Pelotas, de Centros Esportivos, quadras esportivas ginásios, clubes sociais, igrejas, templos religiosos, pet shops, atividades turfísticas e ambulantes, distribuidoras de bebidas, bares e restaurantes. Os restaurantes só podem funcionar em sistema delivery, drive thru ou take away, sendo vedada aglomeração de pessoas.

Os idosos passam a poder receber nos asilos uma visita por semana. “Tivemos o quinto óbito por Covid-19 na cidade e temos um aumento de casos (327) e de internações (10 pessoas em UTI), o que faz com que chegamos a aproximadamente 30% de ocupação. Além disto, em Rio Grande os leitos estão lotados e no país e no Estado faltam medicamentos”, justificou Paula durante a transmissão.

A prefeita falou que outra dificuldade para a ampliação de leitos é a formação de equipes de saúde. “Enquanto isto trabalhamos para criar alternativas. A ideia é uma restrição mais forte esta semana para ter um efeito mais forte e contundente e poder flexibilizar com mais rapidez”, disse.

Os empresários que compõe a Aliança Pelotas divulgaram uma carta aberta, nesta segunda-feira, justificando a saída de dois de seus representantes de se afastar do Comitê Municipal de Crise da Covid-19. Um dos motivos expostos no documento é o não recurso da prefeita junto ao Governo do Estado para a revisão na troca de bandeiras. “O que infelizmente levará a nossa comunidade a mais uma ruptura de atividades econômicas com perdas expressivas de produção”, diz o documento.

]Conforme os empresários, já houve tempo suficiente, desde o início da pandemia em março, para serem melhorados os recursos de atendimentos voltados à saúde. Ainda durante a transmissão ao vivo, a prefeita disse que a manifestação dos representantes do comércio que o Executivo está culpando o setor não é verdadeira.


“Pelotas é essencialmente uma cidade de comércio e serviço e o comércio aberto atrai as pessoas e precisamos estancar isto, antes que tenhamos um colapso na saúde. Estamos agindo agora, com mais tempo para buscar soluções para que possamos o quanto antes flexibilizar”, finalizou.