Pelotas poderá reverter bandeira vermelha já na próxima semana

Pelotas poderá reverter bandeira vermelha já na próxima semana

Cidade apresentou recurso ao governo do Estado e não terá manutenção automática de sua classificação atual

Por
Angélica Silveira

Governo atendeu a solicitação para que a região não permaneça automaticamente em bandeira vermelha na próxima semana sem a oportunidade de recorre


publicidade

No início da noite desta segunda-feira, em uma transmissão nas redes sociais, a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas comentou a decisão do Governo do Estado de manter a região com bandeira vermelha no modelo de Distanciamento Controlado por mais uma semana. Embora tenha mantido a classificação, o governo atendeu a solicitação para que a região não permaneça automaticamente em risco alto da Covid-19 na próxima semana sem a oportunidade de recorrer.

“O nosso recurso teve sentido, pois fomos ouvidos pelos técnicos do Governo do Estado para não entrar na consideração automática de bandeira vermelha pela terceira semana seguida e isto motivou o recurso”, observou. Ela afirma que na sexta-feira poderá ter mais nitidez e saber se os números na cidade melhoraram ou pioraram, se será possível flexibilizar ou não as atividades.

“Imagino que em 14 dias se as pessoas fizerem mais isolamento, teremos números melhores e um menor agravamento de casos. O que quero é poder tomar decisões e avaliar diariamente a pandemia. Efetivamente fiz um recurso para irmos para a bandeira laranja para que pudéssemos ao fim da segunda  semana poder avaliar novamente não deixar  no automático a bandeira vermelha, não poder usufruir dos benefícios caso consiga melhorar os dados”, disse. Ela admitiu que a cidade vive um agravamento com 441 casos confirmados, 28 pessoas internadas. Destas, 14 em leitos de UTI.

“Estes números significam 45% de ocupação da UTI. Em pouco tempo não chegávamos á 10%. Adquirimos equipamentos, alugamos leitos, fizemos muitas coisas, mas não conseguimos profissionais no mercado para abrir os 10 leitos de UTI adulto do Centro COVID, assim como o Hospital Escola  está  chamando equipe. Chegamos a um gargalo difícil de superar”, lamenta.

Ela anunciou que pretendem comprar remédios para disponibilizar medicamentos para  tratamento precoce na farmácia básica. “Muitos médicos do país defendem o tratamento precoce. Estamos ouvindo os profissionais que tem experiência. Não sou médica então não vou defender ou atacar. Vamos buscar informações, mudar os medicamentos da farmácia básica para adquirir estes remédios e vou deixar a critério dos médicos”, relatou. Ela confirmou que irá seguir os protocolos rígidos da bandeira vermelha do decreto estadual. “É importante que as pessoas cumpram seu papel para que vejamos nossa curva começar a baixar”, solicitou.

O presidente da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul) e prefeito de Arroio Grande, Luis Henrique Pereira da Silva destacou que achou relevante o governo estadual ter atendido a solicitação da Prefeita de Pelotas. “Felizmente a região poderá recorrer na próxima semana para não ter três semanas seguidas com o regramento da bandeira vermelha o que é prejudicial para as atividades econômicas e tudo mais. Contamos com a conscientização da população para que sigam se cuidando, que tomem todas as ações preventivas”, solicitou. São Lourenço do Sul, foi um dos municípios que teve seu recurso atendido. O prefeito, Rudinei Harter comemorou a decisão.

“Desde o início da pandemia adotamos uma série de medidas para frear o avanço do vírus. Mais recentemente, com o agravamento da situação na região, intensificamos algumas medidas, como a redução do horário do comércio, para que as pessoas estejam mais cedo em casa, proibição de consumo de bebidas alcoolicas em estabelecimentos e espaços públicos após ás 18h, entre outras”, exemplificou. Ele disse que as ações priorizam a saúde da comunidade para que se possa manter a engrenagem econômica girando.


“Entendemos que manter a bandeira laranja neste momento em que temos todos os 31 leitos Covid da Santa Casa desocupados, assim como os sete leitos do Centro de Saúde São João da Reserva é importante economicamente. Segurar o emprego e a renda neste momento é importante até para que as empresas se mantenham fortes. Caso daqui alguns dias o fechamento seja de fato a melhor medida, o empresariado terá alguma reserva para segurarem principalmente os empregos”, finalizou.