Prefeitura anuncia atraso no pagamento de servidores municipais em Pelotas
capa

Prefeitura anuncia atraso no pagamento de servidores municipais em Pelotas

Administração relatou que 18% dos funcionários municipais não receberão os salários dentro do mês de outubro

Por
Angélica Silveira

Segundo a prefeita Paula Mascarenhas, a situação financeira de Pelotas é muito difícil

publicidade

A Prefeitura de Pelotas anunciou nessa segunda-feira que 18% dos funcionários municipais não receberão os salários dentro do mês de outubro. A medida deve-se ao aprofundamento da crise financeira e ao aumento das despesas fixas, como déficit previdenciário, precatórios e iluminação pública. A Secretaria da Fazenda garantiu o depósito dos vencimentos de setembro para 6.824 funcionários ainda em outubro, o que representa 82% do total. Professores e auxiliares em educação infantil têm recursos assegurados pelo Fundo Nacional da Educação Básica e receberão no quinto dia útil. A exceção são os cargos de professor III, do ensino médio, não contemplados pelo Fundeb. 

Até o próximo dia 23, recebe quem ganha R$ 2 mil líquidos, totalizando 3.393 pessoas. O restante deve receber até novembro, segundo a prefeita Paula Mascarenhas. “A situação financeira é muito difícil. Estamos buscando soluções, mas as que encontramos são pontuais e transitórias. Temos despesas crescentes e que estão dilacerando finanças públicas e, para solução definitiva, precisamos de grande união da sociedade, dos servidores públicos e dos poderes Executivos e Legislativos para encaminharmos isso.” 

Auxílio-alimentação, vale-transporte e as consignações serão pagos normalmente. Paula informou que em janeiro o calendário de pagamento deve retornar ao normal. “A partir de dezembro, temos a previsão da entrada de novas fontes de receita, como antecipação do IPTU e recursos do pré-sal, em torno de R$ 7 milhões.” 

A prefeita falou ainda sobre os gastos fixos do município, como a previdência, com déficit de cerca de R$ 50 milhões, além das despesas com sucessivas decisões judiciais e do custo de iluminação pública. “Fizemos um pacote de austeridade e os decretos de contingenciamento. Tentamos encaminhar soluções por meio de projetos de lei da contribuição de iluminação pública e da alteração dos vencimentos de servidores, mas não obtivemos sucesso. Dependemos também de outras esferas, como a União, que busca a reforma da Previdência, essencial para a retomada do crescimento econômico do país e para o equilíbrio das contas municipais”, disse. 

No caso dos inativos, o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais garante o pagamento de até R$ 2 mil líquidos até o quinto dia útil. Quem ganha até R$ 3 mil receberá até 23 de outubro e os demais, até 21 de novembro.