capa

Revelado o conteúdo da cápsula do tempo em Pelotas

Caixa de ferro, que ficou enterrada por 88 anos, tem papéis antigos, jornais da época e água

Por
Angélica Silveira

Objeto foi aberto nesta terça-feira na prefeitura

publicidade

A caixa de ferro que ficou enterrada por 88 anos sob o monumento em homenagem à ex-Miss Universo Yolanda Pereira foi aberta nesta terça-feira, na Prefeitura de Pelotas. Na cápsula do tempo, foram encontrados papéis antigos, jornais da época e água. A caixa, enterrada em 1931, um ano após o título de Yolanda, foi removida na última quarta. A abertura foi feita pela prefeita Paula Mascarenhas e pelos restauradores Marcelo Madail e Fabiane Moraes, que trabalharam para que o objeto pudesse ser desvendado. “Retiramos a ferrugem, higienizamos, realizamos a ficha catalográfica, fotografamos e mapeamos para chegar a este momento”, disse Fabiane. 

A cápsula do tempo vai para um laboratório do curso de Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas, onde será restaurada, assim como os papéis. A caixa foi encontrada por trabalhadores que realizam obras de revitalização na praça Coronel Pedro Osório, após a prefeitura ser alertada sobre a existência do objeto pelo pesquisador Guilherme Almeida. 

A prefeita propôs que nova caixa seja enterrada em julho, no aniversário da cidade, com objetos que se queira mostrar daqui a 50 anos. Os itens serão escolhidos por votação popular no site e redes sociais do município. “Queremos o que caracterize a Pelotas de 2019. Será um recado de 2019 para 2069 na semana de aniversário.”