São Borja emite alerta sobre o mosquito da dengue

São Borja emite alerta sobre o mosquito da dengue

Larvas e mosquitos se multiplicam em proporção três vezes maior do que no ano passado

Por
Fred Marcovici

A recomendação é de remoção dos depósitos de água parada e demais ambientes que possam virar criadouros de mosquitos


publicidade

O Serviço de Vigilância em Saúde de São Borja, na Fronteira-Oeste do Estado,divulgou novo alerta para a necessidade em redobrar cuidados de prevenção à proliferação do Aedes aegypti. Larvas e mosquitos se multiplicam pelo Estado e localidades argentinas, em proporção pelo menos três vezes maior do que no ano passado no mesmo período. A preocupação é com o surgimento de doenças como dengue, chikungunya, zika vírus e febre amarela, agravando o quadro de saúde pública, já preocupante, em razão da pandemia de Covid-19, associada aos problemas de gripe, causados pelo vírus H1N1.

Em consequência da pandemia, o Ministério da Saúde cancelou, este ano, três edições previstas do Levantamento por Índice Rápido de Aedes aegypti (LIRAa). Assim, em São Borja, os agentes de endemias mantêm o trabalho de monitoramento de rotina na cidade. Desde janeiro até 9 de maio deste ano, São Borja contabilizou 502 focos do mosquito. A preocupação com o retorno da chuva é um dos fatores de risco, além da grande proliferação de Aedes em cidades da região, que totaliza ao menos 500 pessoas infectadas e duas mortes.

Nos municípios abrangidos pela 12ª Coordenadoria Regional de Saúde, da qual São Borja faz parte, até o dia 14 de maio foram registrados 182 casos de dengue em Cerro Largo, um em Dezesseis de Novembro, quatro em Entre-Ijuís, um em Eugênio de Castro, sete em Guarani das Missões, um em Mato Queimado, um em Rolador, oito em Salvador das Missões, três em São Luiz Gonzaga, quatro em São Pedro do Butiá, dois em Sete de Setembro e cinco em Ubiretama. A situação mais preocupante é na cidade de Santo Ângelo que anotou 300 casos de dengue e dois óbitos pela doença.


A cidade argentina de Santo Tomé, vizinha a São Borja, é outro motivo de atenção, devido à alta incidência de casos, onde foram confirmados 30 pacientes com dengue. A recomendação é de remoção dos depósitos de água parada e demais ambientes que possam virar criadouros de mosquitos. Já os pneus para descarte devem ser levados ao ecoponto de recolhimento, no antigo Hospital São Francisco.