Corregedoria da Justiça vai analisar prisão de deputado na desocupação
capa

Corregedoria da Justiça vai analisar prisão de deputado na desocupação

Ausência do Conselho Tutelar também será averiguada

Por
Lucas Rivas / Rádio Guaíba

publicidade

A conduta do oficial de Justiça responsável pela execução da reintegração de posse no prédio ocupado pelo Movimento Lanceiros Negros, no Centro de Porto Alegre, na quarta-feira passada, vai ser alvo de investigação por parte da Corregedoria-Geral da Justiça. O caso vai ser encaminhado pelo porta-voz do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, desembargador Túlio Martins. A confirmação foi dada pelo magistrado durante o programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, nesta sexta-feira. O edifício situado na esquina das ruas Andrade Neves e General Câmara foi desocupado na noite de quarta.

A Corregedoria Geral da Justiça vai averiguar condutas como a ausência do Conselho Tutelar, uma vez que havia crianças no prédio, e do Corpo de Bombeiros no momento da reintegração. Além disso, a voz de prisão dada pelo oficial de Justiça contra o deputado estadual Jeferson Fernandes (PT) também vai ser examinada. Após ter ouvido, informalmente, o parlamentar, Túlio Martins adiantou que o oficial de Justiça vai ser intimado a se explicar.

“Eu vou encaminhar o assunto para que o oficial de Justiça seja ouvido e, se for o caso, a Corregedoria Geral da Justiça apure o que aconteceu. Nós devemos trabalhar com bastante transparência e tranquilidade, pois este fato, complexo, mobilizou muitas pessoas”, justifica.

Túlio Martins explica que a intenção é apontar se houve ou não falha funcional do servidor ou se ocorreu um erro de comunicação, em meio ao cenário de “ânimos acirrados”. Caso sejam verificadas irregularidades, o oficial de Justiça vai ser penalizado. Contudo, a possibilidade de anular a execução da reintegração de posse está rechaçada.

Em entrevista ao Esfera Pública, Jeferson Fernandes garante ter buscado o diálogo junto à tropa militar e, posteriormente, ao oficial de Justiça antes de ter sido preso, a mando dele. “Eu disse: gente eu não estou resistindo, eu estou querendo o legal e o razoável, aí o cara (oficial de Justiça) faz um sinal pra tropa e gás na minha cara (…) no fim das contas, ele disse, pode prender. Nunca vi oficial de Justiça mandar na tropa da Brigada Militar”, explica.

Por fim, o deputado petista chorou ao lembrar o momento de tensão vivido durante a ação policial. “Eu não fui lá desrespeitar o Judiciário e a Brigada Militar porque não é do meu feitio. Quem é que se joga na frente de uma tropa? Eu imaginei até que poderia acontecer o pior comigo. A disposição da tropa era matar quem estava pela frente. Eu sinto medo da Brigada”, pontou.