No primeiro bloco, Manuela e Melo trocam críticas enquanto falam sobre problemas

No primeiro bloco, Manuela e Melo trocam críticas enquanto falam sobre problemas

Candidatos começaram debate de forma respeitosa, mas dura

Flavia Bemfica

Manuela e Melo partiram para um embate forte já durante o primeiro bloco do debate

publicidade

Mesmo que de forma respeitosa, os candidatos Manuela D’Ávila (PCdoB) e Sebastião Melo (MDB) partiram para um embate forte já durante o primeiro bloco do debate promovido pela Rádio Guaíba, Correio do Povo e Amrigs na tarde desta terça-feira, na sede da associação. Por sorteio, foi Manuela a escolhida para dar início às apresentações e, também, para a primeira pergunta.

Na apresentação, Manuela estabeleceu de saída diferenças entre sua candidatura e a do emedebista, que classificou como representante da velha política. “Espero que o senhor e a senhora, neste debate, possam conhecer a verdade sobre as nossas candidaturas, sobre o que sou e enfrento e sobre as verdadeiras propostas do nosso adversário”, assinalou. Melo, na apresentação, disse que o segundo turno é momento de comparar biografias e projetos. Ele também fez uma comparação, afirmando que, se eleito, seu governo “terá como vagão principal o desenvolvimento econômico.” Sobre saúde e economia, assinalou que “não se deve privilegiar uma ou outra.”

Veja Também

Na primeira pergunta, Manuela citou a distribuição de notícias falsas e questionou Melo sobre o enfrentamento a pandemia. Na resposta, ele disparou: “Tenho muito carinho por ti mas, em matéria de mentira, estás sendo campeã.” Sobre o enfrentamento à pandemia, ele disse que fará uma abertura responsável, que reverá protocolos e que usará a questão tributária para que “setores cambaleados possam reagir”, citando a área de eventos. Também assinalou que ninguém tomará conhecimento de decretos na madrugada. Na réplica, Manuela rebatou: “´Ficou impressionado? Imagina eu. Só ontem foram 69 mil notícias que nós derrubamos. Mas a eleição não é sobre isso, é sobre a verdade. Sou candidata a manter Porto Alegre aberta e a ter gestão própria da vacina. Porto Alegre vai precisar fazer isto porque o Bolsonaro, que te apoia, nega a pandemia e a vacinação. Vamos fazer política de testagem séria, vacina e brigadas para impedir a disseminação do contágio.” Na tréplica Melo se defendeu sobre as fake news. “Pode retirar 100, 200, 300 fake news, mas nenhuma ligada a mim. O Bolsonaro não me apoia, mas acho que torce por mim. A senhora devia dizer que o Lula, o Zé Dirceu, o PT, lhe apoiam. Se eu for prefeito, no terceiro dia vou a Brasília falar com o presidente.”

Na sequência Melo perguntou para Manuela sobre qual será sua política tributária. Ela reafirmou seu objetivo de falar com o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) para que ele encaminhe a proposta de cancelamento do aumento do IPTU ainda neste ano, assinalou ser contra a elevação de qualquer tributo e cobrou de Melo sua mudança de postura em relação à privatização da Carris. “Tu foste lá na porta do prefeito Marchezan se manifestar contra a privatização, mas, agora, em 2020, a privatização é uma de tuas bandeiras centrais. O povo precisa saber em quem está votando.” Sobre a mudança de postura em relação à Carris, Melo disse que evoluiu. “O ônibus tem que chegar, tem que ser limpo. Se o preço para melhorar é mexer na Carris, não tenho nenhum problema com isso, porque meu foco é o cidadão.” Manuela, na réplica, afirmou que sua principal preocupação também é ônibus de qualidade e, em seguida, desafiou Melo. “Pergunta para o povo se tem saudade do governo do Olívio ou do teu? Carris pública é fundamental para que o transporte chegue nas comunidades. A Carris assumiu todas as linhas que as empresas abandonaram na pandemia. Não dá Melo, é feio. A licitação feita no teu governo gerou a tarifa mais cara do país.”

No terceiro questionamento Manuela perguntou sobre obras inacabadas como a da avenida Tronco e o viaduto da João Pessoa. “Não fez, vai fazer agora?”, perguntou. Melo respondeu que olha para a frente e que a obra da avenida Tronco tem uma dimensão social “fantástica.” Ele também destacou que Marchezan perdeu “muitos recursos.” E falou que tem expectativa de terminar todas as obras se for prefeito. Manuela afirmou que também obras de menor porte ficaram inacabadas, como creches em cinco comunidades. “Receberam dinheiro do governo Lula e Dilma, é verdade. Receberam quase R$ 1 bilhão, e não fizeram. Quem não fez com tanto dinheiro, por que fará com pouco?” Melo respondeu que Manuela antes elogiava Fortunati e que agora está com Marchezan. Sobre as creches, disse que enquanto ela estuda, ele vive e anda. “O atual prefeito é que não concluiu as obras”, finalizou.

Na última pergunta do bloco Melo questionou Manuela sobre suas propostas para os espaços públicos. Ela respondeu que pretende desenvolver parcerias público comunitárias. Sobre provocação anterior do adversário, disse que elogiou Fortunati após ele ter interrompido um debate para defendê-la de ataques. E disse que o petebista retirou sua candidatura da disputa “no tapetão” e em meio a “baixaria”. Melo rebateu que Fortunati é seu apoiador e acusou a adversária de estar tentando fazer “intriga”. Na sequência disse que pretende dar seguimento as obras da orla, aumentar academias nas praças e parques também nas zonas periféricas e instalar a marina pública. E que pensa em criar um plano diretor só de espaços públicos. Manuela afirmou que vai dar continuidade ao trecho 3 da orla e que, assim como Melo, defende a instalação da marina pública. “Mas não só a marina, a Carris e a Procempa públicas também.” Disse que tratará parques e praças da mesma forma em toda a cidade, e que vai retomar a Secretaria Municipal de Esportes.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895