Presidente do STF e ministro da Saúde discutem sobre judicialização da saúde

Presidente do STF e ministro da Saúde discutem sobre judicialização da saúde

Marcelo Queiroga disse que judicialização onera sistema público

Agência Brasil

Ministro defendeu portaria do Ministério do Trabalho

publicidade

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se reuniu nesta quinta-feira com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, para tratar sobre a judicialização da saúde. 

Em julho, Fux determinou que o governo federal garanta o fornecimento do medicamento Zolgensma para uma criança com Amiotrofia Muscular Espinhal Tipo 2 (AME). O remédio custa cerca de R$ 2 milhões no Brasil. Acompanhado do ministro da Advocacia-Geral da União (AGU), Bruno Bianco, Queiroga entregou memorais com o posicionamento do Ministério da Saúde sobre os remédios para doenças raras. 

De acordo com o ministro da Saúde, a judicialização da saúde inverte prioridades e onera o sistema público de saúde. “São medicamentos de altíssimo custo. É uma pauta sensível, nós nos sensibilizamos com essas crianças, com seus familiares, mas nós temos que ter a certeza de estar oferecendo uma politica pública que traga resultados, que sejam capazes de melhorar a vida dessas crianças”, afirmou. 

Em entrevista após a reunião, Queiroga também defendeu a portaria do Ministério do Trabalho que impede demissão de quem não tomou vacina contra a covid-19. O objetivo é impedir demissões, segundo o ministro. 

“Penso que é neste sentido que o Ministério da Saúde se manifesta. O Ministério da Saúde historicamente pugnou pela defesa do emprego. Então, nós achamos muito drástico demitir pessoas porque elas não quiseram se vacinar”, afirmou. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895