UCS assume gestão da UPA Zona Norte em Caxias do Sul

UCS assume gestão da UPA Zona Norte em Caxias do Sul

O convênio entre a prefeitura e a UCS é questionado na Justiça pelo MPF

Por
Celso Sgorla

O prefeito Flávio Cassina, entregou as chaves da UPA ao reitor da UCS, Evaldo Kuiava


publicidade

A Universidade de Caxias do Sul (UCS) assumiu nesta quarta-feira a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Zona Norte. O prefeito Flávio Cassina entregou as chaves da UPA ao reitor da UCS, Evaldo Kuiava, ato que representou o início da nova gestão.

O prefeito agradeceu a parceria com o Instituto de Gestão e Humanização (IGH) e reiterou a confiança que o município tem na UCS. "Nesse ato simbólico quero reconhecer o IGH pelo serviço desempenhado até o momento e dizer que a administração municipal está convicta que fez uma boa escolha ao trazer a Universidade para gerenciar os mais de 11 mil atendimentos que são feitos aqui ao longo do mês".

Ao receber as chaves das mãos de Cassina, o reitor da UCS, disse que a entrega da chave representa simbolicamente a esperança de um atendimento qualificado às pessoas que precisam e a possibilidade de prestar outros serviços como ensino e pesquisa.

O convênio entre a prefeitura e a UCS é questionado na Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF), que avalia que a seleção da nova gestora por parte do município ocorreu de forma irregular. O órgão entrou com Ação Civil Pública pedindo o impedimento do vínculo.

O Vice-prefeito de Caxias do Sul, Elói Frizzo, informou que, nesta quinta-feira, a prefeitura irá apresentar a defesa sobre os questionamentos feitos pelo MPF. Ele também defendeu que o convênio celebrado com a UCS tem base legal e que a proposta obedece aos princípios da administração pública.

Frizzo lembrou ainda que o convênio da prefeitura com a UCS segue na mesma linha do que foi celebrado entre o Estado do Rio Grande do Sul com a UCS, para administrar o Hospital Geral de Caxias do Sul.

Conforme a UCS, o funcionamento da UPA da Zona Norte envolve uma equipe de 250 funcionários. Entre eles, alunos de cursos da área da saúde devem atuar, com o acompanhamento de professores orientadores. Outra novidade a ser introduzida pela Universidade é a telemedicina, em sistema que permite que especialistas prestem auxílio à distância durante procedimentos.


O contrato da prefeitura com a UPA é de aproximadamente R$ 1,8 milhão por mês. O valor é menor que o pago ao IGH, que girava em torno dos R$ 2 milhões.