Vereadores se reúnem com dirigentes da Refap e cobram explicações sobre emissão de fumaça escura

Vereadores se reúnem com dirigentes da Refap e cobram explicações sobre emissão de fumaça escura

Dirigentes da refinaria sustenta que os acontecimentos estão dentro da normalidade e que as chamas são exatamente para garantir a segurança

Fernanda Bassôa

A refinaria informou que o procedimento é normal

publicidade

Nesta terça-feira uma comissão de vereadores da Câmara de Esteio, formada por Leo Dahmer, Mário Couto e Rute Pereira, se reuniram com o gerente de Segurança e Meio Ambiente da Refinaria Alberto Pasqualine (Refap), de Canoas, José Leandro de Lima, para ouvir as explicações da empresa frente a duas situações de emissão exagerada de fumaça escura registradas nos dias 5 e 13 de maio. A reunião aconteceu na Sala de Comissões Sérgio Daixt da casa legislativa e foi acompanhada por membros da comunidade.

O gerente explicou que a chama é a queima de monóxido de carbono e possui baixo impacto. Ele atribuiu o cheiro forte à emissão de gás dos carros e das empresas, assim como da refinaria em dias de inversão térmica, ou seja, de chuva, quando o cheiro fica mais forte. A refinaria sustenta que todos os acontecimentos estão dentro da normalidade e que as chamas são exatamente para garantir a segurança. O episódio do dia 5 teria sido em função do problema de uma válvula desencadeando toda a queima e o dia 13 foi de restauração do sistema.

Por outro lado, funcionários da refinaria afirmaram não ser normal e ressaltaram que o sucateamento da refinaria, a falta de investimentos e a redução da mão de obra podem ser um agravante para a segurança do local.

Ministério Público foi acionado na segunda-feira

Na segunda-feira, o Ministério Público de Esteio foi oficiado sobre os casos pelo vereador Sandro Severo. O documento foi protocolado para a promotora de Justiça Especializada Camila Santos da Cunha, que deve levar o caso, também, ao conhecimento da Promotoria de Canoas ainda nesta semana.

"Foram dois grandes episódios e a comunidade cobra explicações. Nas redes sociais, os moradores vêm reclamando, ainda, do mau cheiro exalado junto com a fumaça. O problema afeta diretamente os municípios de Esteio e Canoas", reforçou Severo.

A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) informou que a empresa foi oficiada a apresentar uma análise das causas das emissões e quais foram as ações tomadas. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895