Congresso Nacional do Agronegócio se inicia em São Paulo buscando melhor comunicação do setor
capa

Congresso Nacional do Agronegócio se inicia em São Paulo buscando melhor comunicação do setor

Pesquisa evidenciou dificuldades que enfrenta o agronegócio com base na quantidade de notícias negativas envolvendo a atividade

Por
Nereida Vergara

Ministra Tereza Cristina participou da abertura

publicidade

Cerca de 900 pessoas acompanharam ao longo do dia o Congresso Nacional do Agronegócio, promovido hoje pela Associação Brasileira do Agronegócio  (ABAG), em São Paulo, e que teve como foco o momento decisivo que enfrenta o setor. Uma pesquisa encomendada pela Abag evidenciou as dificuldades que enfrenta o agronegócio com base na quantidade de notícias negativas envolvendo a atividade. Segundo o levantamento, feito entre 1º de janeiro e 29 de julho de 2019, foram registradas 103,2 mil postagens no Twitter, em 23 países do mundo e referentes a 35 assuntos, detratoras ao agronegócio do Brasil.

Presidente do Conselho Diretor da Abag, Marcelo Brito, explicou que as postagens se referem em sua maioria a assuntos como a aplicação de agrotóxicos, ao desmatamento e a utilização de terras indígenas pelo produtor rural brasileiro. Segundo ele, além de denotar uma dificuldade histórica do agro comunicar com clareza aquilo que faz, essa distorção vem atendendo a interesses econômicos internacionais em boicotar a produção brasileira, que tem potencial para alcançar na próxima década os 300 milhões de toneladas de grãos.

A pesquisa foi corroborada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, que convocou o setor para um esforço de comunicação que esclareça o que efetivamente o agronegócio faz. "Vamos demonstrar com dados a realidade do desmatamento, o que se libera e por que se aumentou a liberação de registros de defensivos e a nossa preocupação com a segurança alimentar", disse, a ministra, anunciando para a manhã desta terça-feira, em Brasília, uma reunião com a imprensa sobre o assunto.

Tereza Cristina lembrou que os problemas do agro não são causados apenas pela divulgação de notícias desencontradas e até fake news na imprensa internacional, mas por um "bombardeio da imprensa brasileira" o que acaba repercutindo na confiança do consumidor. "Claro que se compararmos o volume de defensivos usados pelo Brasil ele vai ser maior que em outros países, mas é preciso levar em consideração que o país tem duas safras ", ressaltou.