Irga adere ao programa Pró-Milho/RS
capa

Irga adere ao programa Pró-Milho/RS

Lavouras de arroz do Estado poderão rotacionar cultura com o milho, como já é feito com a soja, melhorando produtividade e condições do solo

Por
Nereida Vergara

Milho deve ser a próxima cultura a ser utilizada em rotação com a lavoura de arroz gaúcha

publicidade

A exemplo do que já acontece com a soja, o milho deve ser a próxima cultura a ser utilizada em rotação com a lavoura de arroz gaúcha. Com produtividades que chegam a 14 toneladas de milho por hectare em seus campos experimentais, o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) aderiu ao Programa Pró-Milho/RS, da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

O assessor da presidência da autarquia, Luis Antônio de Leon Valente, explica que ainda não é possível precisar que percentual de área poderá vir a ser disponibilizado pelo o orizicultor à semeadura do milho, mas garante que o Irga vai divulgar as vantagens da experiência. As lavouras candidatas à rotação são as localizadas fora da várzea, em zonas onde o milho comprova melhor enraizamento.

O coordenador do Pró-Milho/RS, Ivan Bonetti, considera a perspectiva animadora. Ele diz que para o produtor a rotação vai trazer ganhos, como trouxe a feita com a soja, não apenas por diversificar a renda, mas por melhorar as condições de solo e da produção. Para o Estado, ressalta Bonetti, a vantagem será a ampliação da entrada do milho na Metade do Sul do Estado, onde a cultura tem participação reduzida.

Consultor do instituto, o professor Paulo Regis Ferreira da Silva lembra que a autarquia já faz estudos com milho há muitos anos, mas retomou a experiência com mais intensidade em 2013. “Do ponto de vista econômico, a utilização de milho em regiões orizícolas do RS seria benéfica pela possibilidade de atração de investimentos para utilização de grãos na criação de aves e suínos e de silagem de planta inteira ou de grãos na pecuária de corte ou na de leite em sistemas integrados de produção na metade Sul do Estado”, explica o professor.