Daniel Silveira volta a pedir desbloqueio de contas e fim do uso de tornozeleira

Daniel Silveira volta a pedir desbloqueio de contas e fim do uso de tornozeleira

Ele é alvo de medidas impostas por Alexandre de Moraes, do STF, que aplicou multas por desrespeito a ordens judiciais

R7

Daniel Silveira foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de prisão

publicidade

A defesa do deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) voltou a pedir que o Supremo Tribunal Federal anule sanções impostas a ele pelo ministro Alexandre de Moraes, como o bloqueio das contas bancárias do parlamentar, o uso de tornozeleira eletrônica e o pagamento de R$ 540 mil em multas.

De acordo com a advogada do deputado, Mariane Andréia Cardoso, as medidas estabelecidas por Moraes não são válidas porque não houve nenhuma decisão judicial suspendendo o perdão dado a Silveira pelo presidente Jair Bolsonaro, que livrou o parlamentar das penas aplicadas pelo STF a ele devido aos ataques ao Supremo e a ministros da corte que Silveira fez.

Segundo a defesa, "todas as questões apresentadas pela defesa dizem respeito a questões tipicamente preliminares, ou seja, devem ser analisadas antes de quaisquer outras e antes que sejam tomadas outras decisões".

"Mais uma vez foi determinada a aplicação de sanção pecuniária sem prévia manifestação da Procuradoria Geral da República — única e exclusiva titular da ação penal e, mais uma vez, decidem-se questões processuais periféricas antes do enfrentamento das questões prejudiciais apontadas tempestivamente pela defesa", reclamou a advogada.

As multas foram aplicadas após Silveira descumprir uma ordem de Moraes para usar tornozeleira eletrônica. O parlamentar manteve o equipamento desligado desde 17 de março e se recusa a colocar outro.

Em abril, Silveira foi condenado pelo STF a oito anos e nove meses de cadeia por coação no curso do processo e por tentar impedir o funcionamento dos Poderes. No entanto, um indulto presidencial anulou a pena.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895